Empresas da Eletrobras vão à venda em abril

A Eletrobras espera que o projeto de lei sobre a sua privatização seja votado em junho, segundo o presidente da empresa, Wilson Ferreira Júnior. “Nós trabalhamos na Eletrobras com um cronograma para deliberar até julho. Em junho, preciso ter o processo decisório. Até lá, precisamos ter o trabalho de qual a melhor forma de cindir as empresas, de modificar os estatutos e abrigar as condições que estão no projeto de lei. Acho que tem bastante tempo para fazer isso”, disse.
Entre as medidas que serão tomadas até lá está a venda de 74 SPEs (sociedades formadas para executar determinados empreendimentos) da empresa, o que ocorrerá até abril deste ano, afirmou.
A expectativa é levantar cerca de R$ 4 bilhões com a venda dos ativos –que são usinas eólicas e linhas de transmissão em que a estatal tem participação.
O cronograma e a modelagem das vendas das SPEs serão anunciados em fevereiro, disse. Os atuais acionistas da estatal –entre eles a 3G Radar e o JPMorgan– terão preferência.
Em relação aos débitos bilionários das seis distribuidoras, cuja venda também está prevista para ocorrer até abril, o presidente disse que a assembleia geral da estatal é soberana para decidir sobre uma eventual absorção dos recursos. A recomendação, diz ele, é que a controladora fique com R$ 11 bilhões da dívida e que os demais R$ 8,5 bilhões fiquem com as distribuidoras, mas a decisão final vai depender dos acionistas.
A dívida é um dos maiores entraves para a venda das empresas –tema que será definido na próxima reunião de acionistas da estatal, em fevereiro.
A contratação de estudos para a privatização da Eletrobras –outra etapa importante do processo– deverá ocorrer independente da aprovação da medida provisória 814, disse Marco Aurelio Silva, secretário do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos).
A MP, editada em dezembro, foi duramente criticada pelo Congresso e está suspensa por liminar judicial. O texto traz medidas para destravar a privatização e a companhia aguardava da queda da liminar para iniciar os estudos.

(Folhapress)
Foto: Divulgação