Sesc Guarulhos promove bate-papo sobre a construção da masculinidade em maio

O projeto Curumim em Pauta: Infâncias e Diversidade em Diálogo promove encontros bimestrais em que são debatidos diferentes aspectos da diversidade, sob a ótica da convivência com o público infantil. Iniciado em março, o projeto trouxe como primeira pauta o tema Bullying e os diversos tipos de preconceito e intolerância. A ação trouxe como convidados a psicóloga, especialista em gênero e sexualidade, mestra em Educação Sexual pela UNESP e doutoranda em Humanidades, direitos e outras legitimidades na USP, Elânia Francisca; a funcionária do Sesc Guarulhos, Jaqueline Aquino, e o mestre em Educação Física pela UFSCAR e assistente técnico da Gerência de Estudos e Programas Sociais do Sesc (GEPROS) , Fabiano Maranhão, que debateram o tema sob mediação do educador em atividades infantojuvenis do Sesc Guarulhos, Dimas Stecca. A atividade teve tradução em Libras e facilitação gráfica feita pelo designer e ilustrador Jotave Araújo, e pode ser assistida no canal do Sesc Guarulhos no YouTube.

Em maio o projeto apresenta o bate-papo Gênero: A construção da “masculinidade”.

Gênero: A construção da “masculinidade”

Homem não chora. Homem não usa roupas de cor rosa ou semelhantes. Homem não demonstra afeto demais. Essas e outras frases semelhantes fazem parte da visão que muitas pessoas têm do que seria o “ideal masculino”, no qual, desde crianças, os homens precisam se mostrar física e psicologicamente inabaláveis, e não se admite qualquer sinal de fragilidade. Esse estímulo a suprimir os próprios sentimentos pode afetar seriamente o estado emocional destas crianças, além de trazer problemas às suas relações ao longo da vida. Para discutir o tema, o Sesc Guarulhos convidou Ana Sharp, Antônio Carvalho e Felipe Cirilo, que farão uma reflexão sob mediação do educador em atividades infantojuvenis do Sesc Guarulhos, Geraldo Macedo.

Ana Sharp é professora, mãe, artista e feminista. Atua há 20 anos como arte-educadora, em diversos projetos da cidade de São Paulo, como Programa Vocacional, Fábricas de Cultura, Sesc, Senac e escolas particulares. Faz parte de movimentos de mulheres desde 2004, atuando em diversas frentes, e tendo como foco a luta das maternidades, da criação não-machista e pelo direito à educação sexual. É uma das criadoras do Movimento Caos – A educação sexual e outros direitos.

Felipe Cirilo é bailarino, ator e professor de artes. Licenciado em dança pela FPA – Faculdade Paulista de Artes, é diretor e bailarino da Asili Coletiva e bailarino no Grupo Menos 1 Invisível. Participou de festivais internacionais de dança no espaço urbano em Cuba e na Argentina. Foi artista-orientador da Escola Viva de Artes Cênicas e ministrou a formação dos professores de artes da rede municipal, ambos em Guarulhos. Ministrou aulas de dança para crianças on-line, através do Itaú Cultural. Foi artista-orientador no Programa Vocacional, da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo. Participou do documentário “O Silêncio dos Homens” e mediou a atividade “Meninos Pretos da Periferia pro Mundo”, com o rapper Timm Arif, nas Fábricas de Cultura de São Paulo.

Antônio Carvalho é historiador e educador do Espaço de Brincar do Sesc 24 de Maio.

Gênero: A construção da “masculinidade”

Com Ana Sharp, Antônio Carvalho e Felipe Cirilo. Mediação: Geraldo Macedo.

Dia 25 de maio, terça, às 19h30

Transmissão ao vivo pelo YouTube, com tradução em Libras.

- PUBLICIDADE -