Mães que trabalham em app de entrega contam rotinas

Da Redação

A vida de quem trabalha nas ruas realizando entregas diárias é agitada, as adversidades são comuns e, para que as entregas sejam realizadas com sucesso, é necessário o acompanhamento de um profissional de supervisão, neste caso, supervisora. A história de Clívia Ferreira, 27, é mais do que supervisionar motoristas e entregadores, é sobre ser mãe e ser gestora.

Entre a rotina de cuidar do seu filho Davi Luca de 6 anos, a colaboradora da Uello (www.uello.com.br) – transportadora digital de logística urbana para produtos de e-commerce – é responsável por acompanhar cada movimento dos motoristas cadastrados no aplicativo. Ela realiza integrações de novos parceiros, supervisão do desenvolvimento dos profissionais, responde dúvidas diárias e ainda passa feedback quando algo não está indo bem. 

A supervisora, que é mãe solo, mostra agilidade ao coordenar cerca de 400 motoristas e seis mil entregas por dia. Com uma nova rotina em home office, a função da Clívia passa a ser ainda mais crucial para manter as entregas sem atrasos. “Está sendo uma adaptação desafiadora, mas sabemos que o isolamento social é o correto e permite que eu fique mais próxima do meu filho”, contou a profissional.

Conheça a mãe que transporta mercadorias como motogirl

Assim como a Clivia, a Renata Viana, 32, mães de dois filhos, garante que os produtos comprados pela internet cheguem às casas dos paulistanos. A Renata é entregadora que presta serviço pela plataforma e está realizando entregas durante a quarentena. “Comecei a trabalhar para sustentar os meus filhos. Consegui comprar um apartamento e amo o que faço, me dá muita liberdade”, conta Viana. 

A rotina dela é como de muitas mães solo: dividir o tempo entre trabalhar, cuidar das atividades domésticas e cuidar dos filhos. “Acaba sendo puxado, mas prazeroso, pois não dependo de ninguém. Tento dar mais atenção e ajudar nas lições da pequena Thaylla, 5, e o Júlio, 15, me ajuda muito com a casa”.

A baiana conta que veio para São Paulo com 20 anos e, por 9 anos, morou em comunidade. “Meu sonho é garantir um futuro para os meus filhos, tenho trabalhado pra isso”. Renata afirma que durante a pandemia a Uello tem dado instruções através do setor que a Clivia trabalha para evitar rotas perigosas. Além disso, a empresa está distribuindo luvas, máscaras e álcool em gel para os entregadores que prestam serviço na plataforma.