Com passagens por Flamengo e Guarulhos, roupeiro Paulinho destaca “alegria” encontrada no Galo

Por Deyvid Xavier

Quando um time é campeão, é comum o torcedor lembrar o nome dos jogadores do “goleiro ao ponta esquerda”, como se diz no mundo da bola. Difícil é lembrar, e também valorizar, do presidente ao roupeiro, que independente dos cargos, tem funções importantes dentro de um clube esportivo. É o caso de Paulo Marcos Fernandes de Oliveira, o professor Paulinho, o carismático roupeiro do Atlético Guarulhense.

“A importância do roupeiro no time é que quando os jogadores chegam já está tudo pronto. Já está ali o calção, a camisa, as chuteiras, esparadrapo, ataduras, chinelos, isso fica tudo pronto. Quando eles chegam é só se trocarem e fazer o espetáculo. Eles não se preocupam com nada, só se preocupam em jogar futebol”, disse Paulo.

Paulinho iniciou no esporte com 6 anos de idade jogando como fixo no Grêmio Recreativo Funcionários da Norton, em 1986, onde seu pai, Antonio Fernandes de Oliveira, era o treinador, de quem ele herdou a paixão pelo futebol. Aos 8 anos, Paulinho chegou às categorias de base do Vila das Palmeiras, hoje Guarulhos, onde ficou no futsal até 1994, com o encerramento das atividades do time guarulhense no salão. Então, no mesmo ano, Paulinho permaneceu nas categorias de base assumindo uma nova função, a de roupeiro do time, até 1998, onde participou da Copa São Paulo em que o Guarulhos venceu o Internacional.

Esse mesmo time comandado por Samango era auxiliado por Toninho Oliveira, irmão de Paulinho e atual técnico da categoria sub-18 do Guarulhense. A parceria é de longa data, já que os dois também trabalharam juntos na disputa do Paulistão da Quarta Divisão e da Copa São Paulo por Guarulhos e Flamengo. A família Oliveira se faz presente no Galo. Após a chegada de Toninho Oliveira como um dos treinadores, Paulinho iniciou como roupeiro do clube. Ele destaca como foi sua chegada, o que já conhecia do Guarulhense e o que ouviu outras pessoas falarem do clube. “Acompanhava pelo Facebook. Conversando com o Anderson e o Márcio, que trabalhei com eles dois anos no Guarulhos, sempre falavam do Guarulhense, do futsal e dos jogos. Quando o Toninho assumiu o sub-18 do clube à convite do presidente Carlinhos, eu fui também para ajudar. Depois, meu irmão (Toninho) falou do Willer Fernandes (supervisor), lembrei que trabalhei com ele no Vila das Palmeiras em 1994, isso também foi um motivo para eu ir ao Guarulhense. Hoje sou muito feliz aqui”, relatou Paulinho.

Por fim, o mais novo integrante do Galo de Guarulhos diz o que espera desse novo desafio. “Espero ficar muito tempo e fazer história, assim como fiz no Guarulhos. Agradeço à diretoria e ao presidente Carlinhos por terem me aceitado no clube. Vamos plantar uma semente para crescer junto com o clube. Agradeço a Deus por estar nesse clube”, finaliza o professor Paulinho.

Foto: Rômulo Magalhães