Vereadores questionam Comgás sobre aumento das tarifas

CEI Comgás - 18.02.2020 - Nico Rodrigues

Da Redação

A Comissão Especial de Inquérito (CEI) da Câmara que investiga a Comgás, concessionária de serviços públicos de distribuição de gás, se reuniu na terça-feira (18). Representantes da empresa e do condomínio residencial Massimo, do Jardim Zaira, também participaram do encontro. O objetivo da CEI é saber por que há tantas reclamações dos consumidores em relação ao preço e o trabalho prestado pela companhia.

O superintendente de relações institucionais Antonio Henrique Gross explicou que a Comgás, inaugurada em 1872 como empresa pública, foi privatizada em 1999 e a cada cinco anos passa por uma revisão de tarifas, determinada pela Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (Arsesp). “A última revisão, no entanto, só foi feita em 2019 depois de dez anos, na casa dos 30 por cento, então, quando veio o reajuste, o susto foi grande para o consumidor. Isso nos prejudicou também, perdemos muitos clientes que preferiam voltar a utilizar os botijões de gás”, explicou Gross.

Embora reconheça que o aumento foi prejudicial para todos, Gross lembra que muitas reclamações se devem ao consumo excessivo e falha regulagem dos equipamentos usados para aquecimento de água: “As contas, a não ser por algum problema nos equipamentos de medição, correspondem ao consumo”, disse.

“Vamos realizar uma reunião maior no dia 3 de março, no plenário da Casa e com integrantes da Comissão de Finanças e Orçamento da Câmara, com a Arsesp, e contamos com o Procon, que será convocado. Vamos discutir melhor o aumento do valor das contas, o faturamento da Comgás e outros problemas que estamos apurando”, afirmou o vereador Romildo Santos, presidente da CEI.

Imagem: Nico Rodrigues

- PUBLICIDADE -