Torres Tibagy é região com maior índice de infestação do Aedes aegypti

Da Redação

A região do Torres Tibagy foi apontada pela Secretaria da Saúde com o maior índice de infestação do mosquito Aedes aegypti, com registro de 6,28, o que coloca a localização em situação de risco, segundo classificação no Ministério da Saúde. Ela foi seguida pelas regiões do Água Azul (6,13), Água Chata (5,41) e Lavras (4,81).

De acordo com o Ministério da Saúde, a classificação do índice satisfatório de infestação corresponde a menos do que um recipiente com larvas para cada 100 imóveis visitados; entre 1,0 e 3,9, a situação é de alerta; e acima de 3,9, passa a ser situação de risco. Os bairros com menor índice de infestação foram Aracília (0,00), Jardim Vila Galvão (0,65), Vila Augusta (0,79), Bela Vista (0,62) e Cocaia (0,66).

Os grandes vilões para a proliferação do vetor continuam os mesmos: vasos e pratinhos de plantas, garrafas retornáveis, piscina desmontável, latas e frascos, calha, bandeja de geladeira, de bebedouro e ar condicionado, ralos externos e internos, além de depósito de água sem a devida proteção.

Diante do resultado do levantamento, a Secretaria de Saúde intensificará o trabalho de controle do vetor com ações casa a casa nas áreas com índices mais elevados de infestação do mosquito Aedes aegypti.

De cada 100 casas inspecionadas 2,1 apresentam focos do mosquito
Uma inspeção realizada pela Secretaria da Saúde apontou que de cada 100 casas supervisionadas, 2,1 apresentaram foco do mosquito. Em novembro do ano passado, o resultado apontou que a cada 100 casas inspecionadas, uma apresentou larvas do vetor Aedes aegypti. Feita por amostragem, a análise foi realizada em 39 bairros de Guarulhos, nos quais foram visitados 36.064 imóveis, sendo que 13.530 estavam fechados ou moradores recusaram a entrada dos agentes de saúde e 22.534 foram efetivamente trabalhados.

(Folhapress)
Foto: Márcio Lino