Tecnologia utilizada reduz a perda de água nos municípios atendidos

Nombre de archivo : DSCN2135.JPG Tamaño de archivo : 645.3 KB (660739 Bytes) Fecha de entrega : 0000/00/00 00:00:00 Tamaño de imagen : 1600 x 1200 píxeles Resolución : 300 x 300 ppp Profundidad del color : 8 bits/canal Atributo Protección : Desactivado Atributo Ocultar : Desactivado ID de la cámara : N/A Cámara : E5000 Modo Calidad : FINO Modo Medición : Multipatrón Modo Exposición : Prioridad de velocidad Speed Light : No Distancia Focal : 8.3 mm Velocidad del disparador : 1/1000 segundo Abertura : F2.9 Compensación de exposición : 0 EV Balance del blanco fijo : Automático Objetivo : Incorporado Modo de sincronización del flash : N/A Diferencia de exposición : N/A Programa Flexible : N/A Sensibilidad : Auto Nitidez : Automático Tipo de imagen : Color Modo de color : N/A Ajuste de tono : N/A Control de saturación : 0 Normal Compensación de tono : Automático Latitud (GPS) : N/A Longitud (GPS) : N/A Altitud (GPS) : N/A

Da Redação

Com o avanço dos equipamentos hidráulicos e da transmissão de dados, é possível acompanhar em tempo real a quantidade de água utilizada em uma determinada região e calibrar remotamente a pressão existente na tubulação local para reduzir a quantidade de água perdida em vazamentos e fraudes.

A Sabesp já aplica esta tecnologia na rede de abastecimento da Grande São Paulo desde a década de 90. Ocorre que, com a forte estiagem ocorrida em 2014/2015 esta ação foi intensificada, sendo uma parte importantíssima da estratégia da companhia para o enfrentamento da crise hídrica, com o objetivo de evitar a exaustão dos reservatórios e contribuir para a manutenção do abastecimento até a normalidade das chuvas.

A rede de abastecimento é subdividida por regiões denominadas setores. Cada setor possui sistema remoto de medição para identificar a quantidade de água consumida e a vazão nas tubulações ao longo de cada hora do dia. Com base nestas informações é possível controlar, através de válvulas ligadas na rede, a quantidade de água conforme o período do dia.

Com a diminuição da pressão da água dentro da tubulação, diminui-se a quantidade de água que vaza através de possíveis fissuras na rede de abastecimento, reduzindo a perda de água.

Em 2015, com a colaboração da população aderindo ao Programa de Bônus, as obras para transferir água entre sistemas e a redução de pressão nas tubulações, foi possível reduzir pela metade a produção de água do Sistema Cantareira.

É sabido que para uma minoria da população (bem menos de 1%), formada em geral pelos que moram em pontos elevados ou que não possuem caixa-d’água, a redução de pressão pode significar longas horas sem água nas torneiras. No entanto, esta ação possibilitou postergar a exaustão dos mananciais que atualmente operam normalmente.

Imagem: Divulgação