Tarcísio inaugurou menos de 18 KM de estrada em SP


Estado foi o que menos recebeu recursos do governo federal para obras rodoviárias

Apontado como “rei do asfalto” pelos seus seguidores a performance de Tarcísio de Freiras em São Paulo não justifica a sua fama. No período em que esteve à frente do Ministério da Infraestrutura, entre janeiro de 2019 e março de 2022, o hoje pré-candidato a governador entregou apenas 17,8 quilômetros de obras rodoviárias no Estado, o que representa intervenção em menos de 2% do total de 1.050 km da malha rodoviária federal paulista.

Segundo relatórios gerenciais oficiais do DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura Terrestre) expostos no site oficial do órgão, São Paulo está entre os estados que menos receberam obras estruturantes rodoviárias no governo Jair Bolsonaro, que aposta em Tarcísio como realizador de projetos de infraestrutura para vencer a eleição no maior colégio eleitoral do país em outubro.

O baixo número de execução é reflexo direto da queda dos investimentos do DNIT – braço do Ministério da Infraestrutura a partir de 2019, primeiro ano da gestão Bolsonaro. Em 2022 o orçamento é de R$ 6,2 bilhões, sendo que dez anos atrás chegou a R$ 21 bilhões.

São Paulo, estado mais populoso e que gera maior quantidade de impostos para o governo federal e que mais contribuiu com o PIB (Produto Interno Bruto), em 2022 terá a menor fatia de investimento do DNIT entre todos os estados. São R$ 14,5 milhões previstos, muito atrás de Santa Catarina, que lidera o ranking com quase R$ 260 milhões.

Levantamento da CNT (Confederação Nacional do Transporte) confirma que os investimentos públicos realizados em 2021 nas rodovias federais foram os mais baixos nos últimos 20 anos. Em 2018 foi de R$ 156 mil por km e R$ 109 mil em 2021.

Os únicos 17,8 quilômetros de obras rodoviárias entregues por Tarcísio e Bolsonaro em São Paulo estão situados em São José do Rio Preto. Em fevereiro deste ano foi inaugurada a rota urbana no pequeno trecho da BR-153, a rodovia Transbrasiliana. Esse projeto foi iniciado em 2014, durante o governo de Dilma Rousseff (PT), e entregue inacabado um mês antes de Tarcísio deixar o ministério para se lançar pré-candidato a governador.

Segundo o próprio relatório do DNIT, Mato Grosso teve 40 vezes mais de obras rodoviárias entregues por Tarcísio de 2019 até hoje. No estado foram realizados 783 quilômetros de intervenções rodoviárias. Em segundo lugar aparece o Pará, em 658 km, e em terceiro, a Bahia, com 595.

As melhorias nas rodovias concessionadas federais em São Paulo também não avançam. As obras da marginal da rodovia Presidente Dutra, entre o Trevo de Bonsucesso e o Posto Sakamoto em Guarulhos, previstas na concessão da Nova Dutra prometidas em março deste ano pelo então Ministro Tarcísio ainda não começaram. A duplicação da Rio-Santos, contida no mesmo contrato de concessão, ocorrerá apenas no trecho fluminense para frustração dos municípios paulistas cortados pela estrada. E a construção de novas pistas na região do Vale do Paraíba estão previstas para serem entregues somente até 2031.

- PUBLICIDADE -