Suposto desaparecimento de R$ 5 bilhões do Saae poderá ser alvo de investigação na Câmara

Da Redação

Após a Folha Metropolitana denunciar nesta semana o suposto desaparecimento de quase R$ 5 bilhões do Serviço Autônomo de Água e Esgotos (Saae) de Guarulhos a Câmara Municipal poderá dar início a uma investigação. Isso porque, durante a sessão de ontem, o vereador Eduardo Carneiro (PSB) protocolou um requerimento solicitando a abertura de uma Comissão Especial de Estudos (CEE). O objetivo é apurar se de fato esse montante sumiu dos cofres da autarquia durante os 16 anos em que os ex-prefeitos petistas Elói Pietá e Sebastião Almeida (agora no PDT) administraram a cidade.

“Nós queremos analisar justamente a situação financeira em que se encontra o Saae. Achamos prudente a abertura de uma CEE para fazer um levantamento baseado nos valores apresentados no áudio já que temos uma dívida monstruosa com a Sabesp, recentemente negociada pelo prefeito Guti”, afirmou Carneiro.

De acordo com o parlamentar, caso instaurada, a CEE também deverá analisar os contratos que a autarquia teve durante o período. “Há algumas auditorias e consultorias muito suspeitas. Então, a comissão nos permitirá ter um melhor juízo de valor a respeito de toda essa situação. Nós, como vereadores, temos o dever de fiscalizar”, destacou.

De acordo com Carneiro, até o final da sessão de ontem, o documento já havia sido assinado por 16 vereadores, sendo eles Rafa Zampronio, Eduardo Soltur e Wesley Casa Forte, todos do PSB; Geraldo Celestino e Lauri Rocha, ambos do PSDB; Luis da Sede e Thiago Surfista, ambos do PRTB; Carol Ribeiro (PMDB); Sérgio Magnum (PEN); Moreira (PTB); Dr. Alexandre Dentista (PSDC); Acácio Portela (PP); Serjão Inovação (PSL); Professor Jesus (DEM); e Betinho Acredite (PTB). “A maioria dos vereadores tem interesse em assinar e acreditam no meu posicionamento em fazer uma CEE ao invés de uma Comissão Especial de Inquérito (CEI)”, disse.

 

O caso

A informação veio à tona após um funcionário gravar uma reunião do superintendente da autarquia, Ibrahim Faouzi El Kadi. Apenas parte do áudio foi vazada à imprensa, onde uma projeção foi apresentada por ele gerando esse valor exorbitante.

Kadi explica que mensalmente o Saae paga R$ 18 milhões à Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), outros R$ 16 milhões são gastos com a operação do Saae e sobram R$ 7 milhões para investimentos. Segundo ele, as antigas gestões não pagaram nada a Sabesp e ainda assim não sobrou dinheiro. “Uma conta primária de R$ 18 milhões mais R$ 7 milhões diz que sumiam R$ 25 milhões por mês aqui”, informou ele explicando que o valor quase chega a R$ 5 bilhões no período dos 16 anos.

Ainda no áudio o superintendente destaca que a quantia desaparecida seria suficiente para quitar os débitos de R$ 3,3 bilhões junto a Sabesp, investir R$ 1,2 bilhão para fazer as obras e tratar o esgoto da cidade inteira garantindo um trabalho de excelência e sem rodízio de água. “E ainda sobraria dinheiro. Foi um crime sem precedente”, disse.

Imagem: Karina Yamada