Seminaldo recebe novo pen drive com denúncias contra Zeitune

Da Redação

O vereador Marcelo Seminaldo (PT) recebeu mais um pen drive contendo denúncias contra o vice-prefeito Alexandre Zeitune (Rede). O material foi encaminhado na tarde de ontem ao escritório político do parlamentar que também preside a Comissão Especial de Inquérito (CEI) instaurada para investigar uma suposta extorsão de Zeitune.

O pen drive contém duas mídias. No entanto, Seminaldo não revelou o conteúdo. Em sua página oficial em uma rede social ele informou que, para evitar maiores polêmicas, enviará o material para o perito contratado pelo Legislativo, que já analisa o primeiro pen drive também pelo vereador.

“Espero que essa situação seja logo resolvida, se existirem culpados que todos sejam responsabilizados pelos seus atos e nossa cidade siga em frente”, diz a publicação.

As primeiras denúncias contra o vice-prefeito foram feitas no dia 22 de fevereiro durante a sessão da Câmara. Seminaldo revelou que havia recebido um pen drive e nele constavam áudios que apontavam uma suposta extorsão envolvendo a pré-candidatura de Zeitune ao Governo do Estado e também de Marina Silva à Presidência da República. Um operador articulava o repasse de uma verba de R$ 17 milhões para Zeitune e outros R$ 5 milhões para Marina.

A expectativa é que os trabalhos da CEI sejam retomados no próximo dia 3, já com a convocação oficial do suposto operador identificado como Marco Antônio Ferreira.

A Folha Metropolitana tentou contato com o parlamentar, mas não obteve retorno até o fechamento desta edição.

“Cada dia mais essa CEI virou um local de espetáculo”
Após a divulgação da informação do novo pen drive, Alexandre Zeitune se pronunciou. À Folha Metropolitana ele criticou o fato de Seminaldo expor em uma rede social a existência do material sem dar acesso a defesa.

“Cada dia mais essa CEI virou um local de espetáculo. Se o presidente da CEI, que deveria ser o guardião da legalidade, vai para o Facebook falar o que fez, antes de dar acesso e amplo direito de defesa e sem fazer ao menos fazer juízo de admissibilidade desse processo. Eu realmente fico bastante preocupado com a forma de condução e do factóide lançado”, afirmou.

Foto: Rômulo Magalhães