Secretaria da Saúde de Guarulhos desmente acusações realizadas pelo Cremesp

Com relação à fiscalização do Cremesp no Hospital de Campanha de Guarulhos (3C-GRU), conforme divulgação feita à mídia, a Secretaria da Saúde de Guarulhos informa que o Instituto Medizin de Saúde (Imedis), que administra o 3C-GRU, faz os seguintes esclarecimentos:

As inconformidades indicadas pelo médico fiscal não condizem com a realidade, uma vez que o Centro de Combate ao Coronavírus de Guarulhos (3C-GRU) atende às normas legais, realizando importante serviço de combate à pandemia, com mais de 81% de pessoas curadas.

A equipe de profissionais que trabalha no local conta com médicos renomados em diversas áreas da medicina, bem como titulação de intensivistas, infectologista e outras especialidades para o combate à Covid-19. Ao contrário do afirmado no relatório, trabalham no Hospital de Campanha 25 médicos por dia, totalizando 750 plantões médicos por mês, conforme escala enviada ao próprio Conselho Regional de Medicina. Portanto, é incabível a alegação de dois médicos por plantão.

No que tange à afirmativa do não fornecimento de máscaras cirúrgicas para os pacientes, a foto tirada pelo fiscal é da recepção do hospital, ou seja, da entrada inicial do pedestre para triagem. Portanto, não se trata de pacientes em atendimento médico e sim de triagem. Ademais, conforme dispõe a nota técnica 04/2020, da Anvisa, no serviço de triagem é permitida a utilização de máscara de tecido.

Sendo assim, diferentemente do relatado no documento do Cremesp, foram adquiridos para o Hospital de Campanha de Guarulhos mais de 50 mil máscaras e mais de 80 mil itens de Equipamento de Proteção Individual (EPI), mesmo com a dificuldade de compras observada neste momento de pandemia. Todo esse material é contabilizado por sistema automatizado de controle, que já aponta uma movimentação de mais de 170 mil itens, dados que contradizem a informação do fiscal.

Além disso, no que se refere ao laboratório de análises clínicas, mais de 18.700 exames foram realizados no período de 1º de abril a 24 de maio. Outro ponto que não condiz com a realidade é a informação de que o espaço entre as camas é menor que um metro, uma vez que cada divisória tem exatamente um metro e as camas ficam entre elas, justamente para respeitar o fluxo dos profissionais para atendimento dos pacientes.

Também não procedem as anotações a respeito do avental utilizado no Hospital de Campanha, que é de manga longa com punho elástico – soft 40g/m².

Quanto à informação de que o hospital não atende à Resolução de nº 7 de 24 de fevereiro de 2010 e RDC nº 50 de 21 de fevereiro de 2002, ela é sem fundamento e não indica dados pontuais que possam levar à conclusão de que o local apresenta risco, já que a quantidade de pessoas curadas e os atendimentos prestados pelo 3C-GRU demonstram total eficácia do Hospital de Campanha de Guarulhos.

Por fim, o Instituto Medizin de Saúde esclarece que algumas fotos apresentadas no relatório não representam os ambientes do hospital, como é o caso do conforto médico, entre outros, o que descaracteriza as demais alegações neste sentido, como a de uma suposta falta de pias no local.

Fonte: Prefeitura de Guarulhos