Se viajar para áreas de risco, não esqueça de tomar a vacina da febre amarela

Da Redação

Com as viagens de fim de ano chegando, é preciso ficar atento, principalmente sobre as áreas consideradas de risco. Confira abaixo um especial com perguntas e respostas sobre as principais dúvidas e informações a respeito da doença e previna-se:

  • O que é Febre Amarela (FA)?

A febre amarela é uma doença viral aguda, imunoprevenível, transmitida ao homem e a primatas não humanos (macacos) através da picada de mosquitos infectados.

  • Onde ocorre a febre amarela?

A febre amarela é uma doença considerada endêmica na região amazônica. Nos últimos anos, no entanto, foram registrados casos em outras regiões do país, como nos estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

  • Qual é a diferença entre a febre amarela silvestre e febre amarela urbana?

O vírus transmitido é o mesmo, assim como a doença que se manifesta nos dois casos. A principal diferença é o vetor de transmissão. A febre amarela silvestre é transmitida pelos mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes, que vivem em áreas de mata, rurais ou ribeirinhas. Já a febre amarela urbana – que não ocorre no Brasil desde 1942 – tem como vetor o Aedes Aegypti, o mesmo da dengue.

  • A febre amarela é contagiosa?

Não. A infecção ocorre somente através da picada do mosquito infectado. A doença não é transmitida de pessoa para pessoa, nem de macacos para pessoas.

  • Como uma pessoa pode ser infectada pela febre amarela silvestre?

Se o homem frequentar uma área de mata onde o vírus circula e for picado por mosquitos infectados, pode contrair a doença.

  1. E os macacos, eles transmitem febre amarela?

Os macacos não são responsáveis pela transmissão. Esses animais são sentinelas e ajudam o poder público a definir as ações de prevenção, já que as epizootias (morte ou adoecimento de macacos) ajudam a identificar a presença do vírus em determinada região.

  • Como se prevenir contra a transmissão da febre amarela?

A principal forma de prevenção é por meio da vacinação. Se a pessoa não for vacinada, é recomendável utilizar repelente e evitar o deslocamento ou permanência em áreas onde o vírus circula.

  • Quantas doses da vacina é preciso tomar? Qual a diferença da dose padrão (dose total) e fracionada?

Na vacina padrão (plena), a dose é única e válida para a vida toda.

Já a dose fracionada, que está sendo ofertada na campanha nacional de vacinação contra a febre amarela, protege por pelo menos 8 anos. Com o fracionamento, o frasco convencionalmente utilizado na rede pública pode ser subdividido em até cinco partes, sendo aplicado 0,1 ml da vacina. A dose fracionada foi adotada pelo Ministério da Saúde diante dos novos casos que surgiram em diversas regiões do país, como alternativa para ampliar a capacidade de imunização nos estados com surto da doença.

  • Quem deve se vacinar contra a febre amarela?

A vacina é recomendada para moradores ou pessoas que se deslocam para áreas com circulação do vírus no Brasil e aos viajantes para os países com risco de transmissão de febre amarela. Confira no link quais municípios brasileiros têm recomendação temporária ou permanente para vacinação.

  • Com qual antecedência devo me vacinar se for viajar para uma área considerada de risco?

É importante que a vacinação ocorra dez dias antes da viagem. Esse é o tempo necessário para o organismo produzir os anticorpos contra a doença.

  • Quem não deverá tomar a vacina e, nestes casos, deverá consultar o médico?

– Crianças com até nove meses de idade;

– Mulheres amamentando crianças menores de seis meses de idade;

– Pessoas com alergia grave a ovo;

– Pessoas que vivem com HIV e que têm contagem de células CD4 menor que 350;

– Pessoas em tratamento de quimioterapia e/ou radioterapia;

– Pessoas portadoras de doenças autoimunes; e

– Pessoas submetidas a tratamento com imunossupressores (que diminuem a defesa do organismo).

  • Quem deve receber a dose padrão da vacina contra a febre amarela?

– Pessoas que vivem com HIV e que têm contagem de células CD4 maior que 350;

– Pessoas que terminaram tratamento de quimioterapia e radioterapia;

– Pessoas com doenças hematológicas (do sangue);

– Grávidas;

– Crianças entre nove meses e dois anos de idade;

– Viajantes internacionais – O Regulamento Sanitário Internacional (RSI) ainda não autorizou a utilização da dose fracionada para a emissão do Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia (CIVP). Para receber a dose padrão, deverá ser apresentado, no ato da vacinação, comprovante de viagem (boleto de passagem área ou hotel, convite para participação em eventos internacionais, entre outros) para países que exijam o CIVP.

  • Onde posso tomar a vacina?

Nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) de referência de cada município e nos ambulatórios dos viajantes dos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais (CRIEs). Mais informações sobre os locais disponível no link: www.cve.saude.sp.gov.br.

  • As pessoas que tomarem a dose fracionada receberão o Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia (CIVP)?

Não. Pessoas que irão viajar para países que exigem o CIVP deverão receber a dose padrão, pois somente essa é válida e dá direito a emissão do certificado.

  • Como serão identificadas as pessoas que receberem a dose fracionada da vacina contra a febre amarela?

O Ministério da Saúde disponibilizará aos estados etiquetas adesivas para a identificação da dose fracionada. A etiqueta deve ser preenchida e fixada na caderneta de vacinação.

  • Existe um maior risco de ocorrência de eventos adversos com uma dose fracionada da vacina?

Não. A composição da dose fracionada é a mesma da vacina padrão. Os dois tipos de doses são igualmente seguros e eficazes. Não há evidências de aumento de eventos adversos ao usar uma dose fracionada.

  1. Posso apresentar reação após a aplicação da vacina?

A reação mais frequente é sentir dor de intensidade leve ou moderada no local de aplicação, durante um ou dois dias. Outros sintomas, considerados sem gravidade, são: febre com duração de até sete dias, dor de cabeça e dor no corpo.

Embora raros, eventos adversos graves podem ocorrer se a vacina for aplicada em pessoas com contraindicação, podendo, inclusive, levar à morte. Por isso, é fundamental que a vacina seja destinada a quem precisa, e que as pessoas consultem seu médico, em caso de dúvidas.

  • Após a infecção pelo vírus da febre amarela, quanto tempo leva para a doença ficar aparente (iniciar os sintomas)?

Em média, de três a seis dias após a picada do mosquito transmissor infectado. Mas pode levar até 15 dias para o surgimento dos primeiros sintomas.

  • Quais são os sintomas da doença?

– Febre de início súbito;

– Calafrios;

– Dor de cabeça;

– Dores nas costas;

– Dores no corpo;

– Náuseas, vômitos;

– Fadiga;

– Fraqueza;

– Icterícia (coloração amarelada da pele e do branco dos olhos); e

– Sangramentos.

  • O que devo fazer se apresentar os sintomas?

Procurar um médico na unidade de saúde mais próxima e informar sobre qualquer viagem ou deslocamento para áreas de risco nos 15 dias anteriores ao início dos sintomas.

  • Todas as pessoas que vão viajar para São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia precisam se vacinar?

É necessário avaliar, com precisão, as regiões por onde o viajante vai se deslocar nesses estados, pois existem as seguintes situações a serem consideradas:

– Área Com Recomendação de Vacinação (ACRV): Área com registro histórico de febre amarela silvestre e, portanto, com recomendação permanente de vacinação.

– Área Sem Recomendação de Vacinação (ASRV): Área sem registro histórico de febre amarela silvestre e, portanto, sem recomendação de vacinação.

– Área de Recomendação de Vacinação Parcial (ASRVP): Área afetada quando registrada em regiões metropolitanas, com grandes centros urbanos e elevados contingentes populacionais, para efeito de priorização das populações sob maior risco e priorização da vacinação para bloqueio de foco.

Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil