Região caminha para calamidade pública e reforça pedido de apoio às forças policiais

À beira do colapso regional na saúde, os prefeitos que compõem o Condemat – Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê devem unificar nesta segunda-feira (15) os decretos de situação de calamidade pública nas cidades. A medida dá o respaldo jurídico para ações futuras do Condemat no enfrentamento à pior fase da pandemia, com alta nos casos e óbitos, superlotação dos hospitais e dificuldade na fiscalização, sobretudo às festas clandestinas.

Em reunião extraordinária realizada no domingo (14), de maneira virtual, os prefeitos estabeleceram ações emergenciais, dentre elas o decreto de calamidade pública, que será unificado, e a solicitação de reforço no apoio das forças policiais na fiscalização durante a Fase Emergencial do Plano São Paulo, que tem início hoje (15) em todo o Estado.

Dados registrados nos últimos 14 dias apontam para a evolução do número de óbitos na região em 21,5%, enquanto os casos tiveram acréscimo de 35%. Já a ocupação de leitos de UTI se mantém acima de 90% desde a semana passada, mesmo com a abertura dos novos leitos em Mogi das Cruzes e Suzano, sendo que nos municípios de Ferraz de Vasconcelos, Mogi das Cruzes e Santa Isabel os leitos estão 100% ocupados. A ocupação nos leitos de Enfermaria na região ultrapassou os 100%, chegando a 300% no município de Ferraz de Vasconcelos.

Com os números cada vez mais alarmantes, os prefeitos não medem esforços para a adoção de medidas regionais para conter a disseminação do vírus.

“Na semana passada foram implantados 16 novos leitos de UTI na região (sete em Mogi das Cruzes e nove em Suzano) e ainda assim nossas unidades estão à beira do colapso e se mantém com 100% de ocupação, isso reforça a necessidade de atuarmos preventivamente, para evitar a transmissão acelerada do vírus, pois somente isso irá impedir uma tragédia ainda maior do que já estamos vivenciando, com a falta de leitos para os enfermos”, disse o presidente do Condemat, Rodrigo Ashiuchi.

Os prefeitos deliberaram ainda a solicitação do aumento do número de ônibus e horários das linhas intermunicipais, ao secretário de Estado de Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy de Sant’Anna Braga. A medida visa diluir o volume de passageiros, consequentemente reduzindo as superlotações e melhorando as condições para a prevenção do Coronavírus.

Outras ações definidas pelos prefeitos, sobretudo para o reforço na oferta regional de leitos, estão sendo avaliadas pelo departamento jurídico do consórcio, bem como dos municípios.

Leitos com custeio parcial do Estado

Os municípios aguardam o repasse fundo a fundo que o Governo do Estado fará para os municípios abrirem novos leitos nas unidades municipais e contratarem leitos junto à iniciativa privada. De acordo com demanda enviada ao Estado, com o repasse do Estado e contrapartida dos municípios serão implantados 73 leitos de UTI e 259 de enfermaria.

Na semana passada a Secretaria de Estado da Saúde anunciou a abertura de 30 novos leitos no Hospital Dr. Arnaldo Pezzuti até o dia 17 de março.