Quadrilha que roubava combustível desde 2016 é presa

Lucy Tamborino

O Núcleo de Roubo de Cargas de Guarulhos deflagrou ontem a “Operação Trupanon”, que resultou na prisão preventiva de 10 supostos integrantes de uma quadrilha que roubava combustível de dutos da Petrobras. As investigações apontam que os criminosos atuavam desde 2016, com uma estrutura organizada de administradores, técnicos e responsáveis pelas perfurações.

Dente os presos estão cinco proprietários de postos que participavam do esquema. Um deles é Marcos Miranda, identificado como chefe da quadrilha e preso no Presidente Dutra. Além de chefiar o bando, ele também revendia o combustível roubado, que era adulterado para gerar ainda mais lucro. Seus dois irmãos também foram presos.

Ao todo 10 perfurações foram identificadas até agora. Com perda estimada em R$ 400 mil em cada uma, foi gerado um prejuízo de pelo menos R$ 4 milhões. O valor total e exato ainda será calculado.

De acordo com o delegado Milton Burgese, a atuação do grupo contava com o auxílio de funcionários terceirizados da Transpetro, o que possibilitava que os criminosos pudessem formar uma espécie de mapa por onde os dutos passavam. Com as informações, a quadrilha buscava pontos estratégicos para iniciar a perfuração, como casas alugadas e regiões afastadas por matagais.

Os criminosos também tinham a cautela de retirar um nível de combustível específico para não levantarem suspeitas. “Muitas vezes a situação ocorria paulatinamente, era um nível de subtração baixo levando em consideração o universo da vasão do duto. Eles efetuavam o furto de cerca de sete mil litros por dia, o que era muito pouco para cair a despressurização”, aponta Burgese.

O mecânico José Matias, também preso, era perito na perfuração dos dutos e sempre solicitado, já que realizava um trabalho preciso, evitando explosões que poderiam chamar atenção para o esquema ou até ferir os envolvidos. 

A operação é um desdobramento de outra investigação realizada em agosto do ano passado, quando a polícia prendeu sete pessoas no bairro Ponte Alta. Ao todo, foram 14 mandados de prisão temporária e 45 de busca e apreensão nas cidades de Guarulhos, Santa Isabel, Arujá, Mogi das Cruzes, Guararema, São Paulo e Santo André. Quatro pessoas com mandado de prisão ainda estavam foragidas até à tarde de ontem.

Imagem: Lucy Tamborino