Procura por imóveis no interior dispara no último ano

Entre todos os movimentos no mercado imobiliário de um ano para cá, um dos que mais vêm chamando a atenção é o de migração de pessoas das grandes cidades para o interior, principalmente para condomínios horizontais fechados. Na 1M2, maior plataforma de venda de terrenos em loteamentos do Brasil, por exemplo, o crescimento na procura por este tipo de empreendimento foi gigantesco. Em relação a 2020, o número de vendas unitárias cresceu 96% até o fim do mês de julho, enquanto o valor geral dessas vendas apresentou crescimento de 114%.

Segundo o CEO da 1M2, Rodrigo Gordinho, o estilo de vida interiorano seduziu o morador de grandes cidades, como São Paulo, desde o começo da pandemia. “Além da proximidade com a capital, esses lugares oferecem imóveis maiores, com área externa, e área de lazer completa e maior contato com a natureza. Esses atributos passaram a ser mais valorizados com as novas rotinas de isolamento e distanciamento social”. Citando sua própria experiência, Gordinho diz que esta opção de vida começa com quase sempre com o aluguel de um imóvel no interior, evoluindo mais tarde para uma compra.

Esta análise é reforçada pelos números do Conselho Regional dos Corretores de Imóveis de São Paulo (CRECI-SP), que consultou mais de 900 imobiliárias em 37 cidades do estado. Segundo o levantamento, o interior teve aumento de quase 13% de casas e apartamentos alugados entre os meses de abril e maio deste ano, quando a pandemia apresentava seus piores dias e havia sérias restrições de mobilidade.

“A necessidade de ficar em casa quase todo o tempo, aliada à possibilidade de office e aulas online fizeram muitos perceberem que não precisavam mais morar tão perto do trabalho como antes”, completa. Como consequência, as vendas de imóveis pelo interior também dispararam. De acordo com as expectativas da Associação das Empresas de Loteamento e Desenvolvimento Urbano (AELO), o setor de loteamentos deve terminar o ano de 2021 com um crescimento de 10% em relação a 2020.

Mais do que isso, conforme dados da consultoria Brain, o aumento no preço do metro quadrado em algumas cidades fora da região metropolitana superou 100% em 12 meses. O estoque de lotes disponíveis nos municípios do interior monitorados, por sua vez, despencou quase 50% em quatro anos.

Agora, com a volta ao normal, o CEO da 1M2 considera que o mercado continuará aquecido. “A pandemia trouxe uma mudança de mentalidade e a valorização de um novo estilo de vida. Além disso, quem porventura precisar voltar à rotina diária de trabalho presencial ou de estudos certamente continuará com um imóvel no interior para os fins de semana e feriados”, completa.

- PUBLICIDADE -