População ignora existência de PEVs

Lucy Tamborino e Mayara Nascimento

Mesmo com 19 Pontos de Entrega Voluntária (PEV) espalhados estrategicamente em todas as regiões de Guarulhos, a população insiste em ignorar a existência dos equipamentos e descarta irregularmente todo tipo de material nos arredores deles. A Folha Metropolitana percorreu entre os dias 14 e 22 de janeiro deste ano todos os 19 pontos disponibilizados pela prefeitura e constatou a quantidade de lixo descartada pelos cidadãos.

Vila Galvão

Os moradores da região da Vila Galvão têm à disposição quatro PEVs. O mais organizado é o de Torres Tibagy. Um funcionário que não quis se identificar disse que a calçada estreita e o ponto de ônibus em seguida do portão de entrada dificultam o descarte irregular. Já nos PEVs do Continental, Iporanga e Vila Galvão, os entulhos se espalham pela calçada. No do Continental, uma placa foi improvisada comunicando que o local fica fechado durante o horário de almoço, informação que não é passada pela prefeitura.

Cumbica

Em Cumbica, os entulhos ultrapassam a calçada do PEV Inocoop e invadem a rua. Sofás, madeiras, lixos não recicláveis e até mesmo roupas se espalham no quarteirão todo. A reportagem constatou que os moradores jogam lixos diversos enquanto o local está fechado. Os móveis que são grandes e não passam pela grade que já está quebrada, são deixados na porta do local irregularmente.

Centro

Na região central o PEV Vila Barros enfrenta o mesmo problema. Moradores jogaram entulhos enquanto o local estava de recesso no Ano Novo. A quantidade é tanta que os funcionários ainda não conseguiram organizar tudo. O da Ponte Grande estava fechado, sem placas de identificação e com alguns entulhos na porta, incluindo uma televisão quebrada. Na calçada do Macedo foi encontrado até mesmo animal morto, dentro de uma sacola, em estado de decomposição. Já o do Gopoúva e o do Paraventi se destacaram entre os mais organizados e limpos. Ao lado do PEV Paraventi, a praça Renato Maggion, mantida pela empresa Maggion, conta com bancos, quadra e flores.

Taboão

Os moradores do Taboão contam com três PEVs, dos mais críticos estão o Cabrália e o João de Pulo. O primeiro tem sua estrutura toda pichada, vidros quebrados, grades e portões danificados e no segundo foi possível notar que, provavelmente na noite anterior, pessoas haviam entrado e queimado parte dos itens descartados no local. A queimada parece acontecer também ao redor, já que os muros brancos estão todos manchados de preto, alvos do fogo que parece ser recorrente. Além disso, sobram móveis ao redor: sofá e guarda roupa, no meio do lixo tem até uma escada. O acesso aos dois é simples, falta grade no Cabrália em boas condições para cercar o local, o outro faz ainda divisa com o Ginásio João do Pulo com uma parte sem muro ao redor. Funcionários também sofrem com a falta de energia, os fios elétricos foram roubados. No Mikail a situação aparente é mais amena, mas uma característica une os três: lixo ao redor.

Pimentas

No PEV Jurema mais indícios que a queima nesses locais é frequente, o que foi queimado exatamente não é possível identificar, já que as cinzas e restos dos materiais ao redor do muro, já estão cobertos de novos descartes irregulares, na lista estão sofá e madeiras. Além desse, há na região o PEV Pimentas. A estrutura ao redor nem parece ser um local para descarte, já que as árvores e cercas verdes ao redor se assemelham há um jardim. Das raridades, não foi encontrado móveis ao redor deste.

Bonsucesso

Na região do Bonsucesso está o PEV Ponte Alta. O espaço é amplo, mas mesmo assim, não precisa nem ir longe para se deparar com lixos e móveis ao redor, basta percorrer de uma entrada a outra. Nesse caminho há de tudo entre móveis, madeira e entulhos.

São João

Fortaleza, Santos Dumont e Haroldo Veloso, na região do São João, além de descarte em ruas de materiais como entulhos, sofás e móveis a menos de 100 metros do local correto de descarte. No segundo de longe é possível ver um grafite que traz cores e encanta os admiradores da arte, já de perto é possível o descaso da população que cerca o muro com lixo. As árvores que cercam o Fortaleza também perdem espaço paro o lixo. Ainda no Haroldo Veloso as cores dos muros não são grafites, mas pichações indiscriminadas.

Multas por descarte irregular ultrapassaram R$ 1,3 milhão em 2018

Só no ano passado a Prefeitura de Guarulhos aplicou R$ 1,3 milhão em multas por despejo irregular de entulho, móveis velhos, pneus entre outros tipos de rejeitos em ruas, praças e terrenos. O resultado é mais de três vezes superior ao total de multas aplicadas em 2017, que foi de R$ 406,6 mil. As autuações foram feitas por agentes do Departamento de Limpeza Urbana (Delurb), que flagraram transporte e descarte irregular de rejeitos por toda a cidade.

Os valores das multas aplicadas podem ultrapassar a R$ 40 mil dependendo de fatores como quantidade de resíduos descartada e horário da infração, por exemplo.  Em caso de reincidência, os infratores poderão ter seus veículos incorporados ao patrimônio público municipal.

Qualquer pessoa pode colaborar com a limpeza da cidade, denunciando o descarte irregular de materiais pelo telefone 0800 772-2006.

O que o pode ser descartado nos PEVs?

Os PEVs foram criados para que a população possa descartar gratuitamente resíduos da construção civil, móveis velhos desmontados, podas, vidro, madeira, isopor, gesso e utensílios em geral sem serventia. Cada morador pode entregar até cinco pneus. É permitida a entrega de telhas e caixas d’águas de fibrocimento, desde que estejam inteiras e com a inscrição “sem amianto”. A quantidade diária de material para entrega não pode ultrapassar 1m³, o equivalente a 12 carrinhos de mão cheios.

O PEV não recebe resíduo úmido domiciliar (restos de comida, lixo de banheiro, animais mortos e etc.), lâmpadas fluorescentes, borra de lava rápido, pilhas e baterias, óleos lubrificantes e amianto.

O endereço do PEVs pode ser consultado em: www.guarulhos.sp.gov.br/pagina/pev.

Imagens: Lucy Tamborino e Mayara Nascimento