Pessoas dormem na fila para se inscreverem em curso remunerado com meio salário mínimo

Lucy Tamborino

Com cerca de duas mil pessoas, as inscrições para o Bolsa Trabalho lotaram o Adamastor Centro na última sexta-feira (05). Teve até quem chegou na tarde do dia anterior e dormiu na fila para garantir uma vaga nos cursos de jardineiro e pequenos reparos domésticos. Para cada um haviam 55 vagas disponíveis e bolsa-auxílio de meio salário mínimo (R$ 499) aos participantes.

Esse foi o caso de João Pereira Santos Filho, de 38 anos, desempregado há um ano e que chegou por volta de 14h de quinta-feira (04) na fila. “Valeu a pena a espera, eu nunca me esforcei tanto. Se me derem essa oportunidade eu vou chegar até o fim”, contou enquanto realizava a inscrição explicando que tem quatro filhos menores de idade.

Raimunda Borges de Menezes, de 49 anos, que tem procurado vaga de ajudante geral e cozinheira chegou no Adamastor às 23h. “Quando cheguei já tinha uma fila enorme”, disse.

Para organizar os milhares de desempregados que buscaram o benefício oferecido pela Secretaria do Trabalho foram necessários soldados do Tiro de Guerra de Guarulhos. Três ambientes também dividiram as pessoas: o primeiro uma sequência de pelo menos duas filas organizadas no estacionamento do Adamastor Centro, outro em uma sala com pessoas já com senhas para verificar se estas se enquadram no perfil do curso e uma terceira sala para inscrição.

A iniciativa é voltada para quem não recebe nenhum benefício social, como o Bolsa Família, está desempregado há mais de um ano, mora em Guarulhos e tem entre 21 e 65 anos. Mulheres chefes de família são priorizadas.

Além da bolsa-auxílio os participantes recebem vale-transporte (R$ 9,40 por dia) e possuem seguro de vida. Cada curso tem duração de seis meses e os alunos devem participar de aulas de formação profissional durante um dia da semana e nos outros quatro participam de atividades de formação prática em algumas secretarias municipais.

Imagens: Lucy Tamborino