O preparo do policial militar de São Paulo

Sempre que ocorre algum fato em que o policial não seguiu as regras, se apressam em falar do despreparo do policial militar, o que não corresponde, nem de longe, à realidade. Todos os dias são perto de 80 mil ligações ao Centro de Operações da Polícia Militar, o Copom, e destas, entre 15 e 20 mil geram despacho de viaturas, ou seja, o contato com o cidadão, nas mais variadas ocorrências, no espaço de 24 horas, momento em que o policial defende, protege, salva e, às vezes, morre pelo cidadão. E, quando uma dessas ocorrências apresenta um erro, uma não conformidade, é essa que vai para a mídia.

Vamos falar então sobre como é o preparo do policial militar. São seis grandes escolas, todas de nível superior. Três de formação: Escola Superior de Soldados (ESSd), 2.602 horas-aula, onde o jovem que vem do mundo civil se gradua em Técnico de Polícia Ostensiva e Preservação da Ordem Pública; Escola Superior de Sargentos (ESSgt), 1.617 horas-aula, onde o Cabo PM se gradua em Tecnólogo  de Polícia Ostensiva e Preservação da Ordem Pública; e a Academia de Polícia Militar do Barro Branco (APMBB), 9.350 horas-aula, onde o cadete se gradua em Bacharel em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública, tornando-se Oficial da Polícia Militar.

Além das escolas de formação sequencial, a Polícia Militar conta com o Centro de Altos Estudos de Segurança (CAES) que mantém dois cursos de pós-graduação: Mestrado profissional, destinado aos Capitães PM, com 616 horas-aula, que os habilita ao posto de Major PM e Doutorado profissional, com 736 horas-aula, destinado aos Majores e Tenentes-Coronéis PM, habilitando-os à promoção ao posto de Coronel PM. Nestes dois cursos, são obtidos os títulos de Mestre e Doutor em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública.

Decorrentes das pesquisas acadêmicas destes dois cursos de pós-graduação surgiram muitos avanços que agregaram valor à população paulista e brasileira, como por exemplo, o conhecido Resgate do Corpo de Bombeiros. 

Conta também a Instituição com mais duas escolas para habilitações específicas: a Escola Superior de Bombeiros (ESB) e a Escola de Educação Física (EEF) sobre as quais discorreremos em outra oportunidade.  

Conta ainda a Polícia Militar com um Programa de Aperfeiçoamento Profissional (ProAP) que é uma sólida educação continuada. Fazem parte deste programa, além das Preleções Diárias (orientações pontuais para o serviço policial), a Instrução Continuada de Comando (ICC), periodicidade diária; o Programa de Vídeo Treinamento (PVT), quinzenal; o Treinamento em Pleno Serviço (TDS), que é a simulação do atendimento de uma ocorrência, periodicidade trimestral e o Estágio de Aperfeiçoamento Profissional (EAP), anual, onde o policial é retirado das ruas para rever princípios básicos e valores institucionais, além de fazer o treinamento físico (TAF), de tiro (TAT), que engloba retreinar no Método Giraldi de Tiro. 

Completando a educação policial militar, em todas as escolas, nos seus treinamentos, cursos e estágios, trabalha-se fortemente a internalização de valores morais, éticos, de civismo, patriotismo, bem comum, de respeito ao próximo e as leis, tudo seguindo a estética militar e em suas colunas mestras: a hierarquia e a disciplina.  

Como se vê, há uma sólida educação sequencial e continuada dentro da Polícia Militar de São Paulo, nos seus dois recortes: ensino técnico e internalização de valores, deixando-os aptos a servir e proteger o cidadão. Nosso compromisso é com o acerto, sempre!

Coronel Alvaro B. Camilo

- PUBLICIDADE -