No primeiro dia útil após o aumento de tarifas de ônibus, usuários reclamam dos novos preços

Mayara Nascimento

As passagens dos ônibus municipais sofreram reajuste e os novos valores começaram a valer no último sábado (02). Quem utiliza o Bilhete Único passou a pagar R$ 4,45. O cartão permite a utilização de até quatro ônibus diferentes no período de duas horas. Já para quem paga a passagem em dinheiro, o valor permaneceu o mesmo, de R$ 4,70.

O reajuste das tarifas é o equivalente a 3,48%, o que representa uma variação inferior à inflação dos últimos 12 meses. A cidade de Guarulhos tem uma das tarifas mais baixas do estado. Na capital, as tarifas dos trens e metrôs tiveram reajuste de 7% no último mês e os ônibus intermunicipais tiveram variação de 6,45%.

“As condições dos ônibus são ruins, falta manutenção e limpeza. Alguns passam lotados e não param no ponto, deveria ter mais carros em horários de pico”, afirmou Josy Vivian, de 27 anos, que trabalha no Centro e utiliza o transporte público todos os dias.

Nos últimos dois anos, durante a administração do prefeito Guti, quando a tarifa de ônibus não teve qualquer reajuste acima da inflação, 342 novos veículos foram incorporados à frota: 183 em 2017 e 159 em 2018. Hoje, o total de ônibus que serve o município é de 866.

Elzira Regina José Maria, dona de casa, se surpreendeu com os novos valores. “Se não fosse pelo desconto do Bilhete Único ficaria muito difícil pegar ônibus. No final do mês consigo perceber uma grande economia por usar o cartão”, afirmou.

Guti explicou que apenas fez o repasse da inflação, já que as planilhas de custos apresentadas pelas empresas indicavam uma tarifa superior a R$ 5,50. “Jamais permitiríamos que esse valor recaísse no bolso dos trabalhadores. Este valor se deve em boa parte aos custos do Bilhete Único e às gratuidades oferecidas no transporte público”, afirmou.

Imagem: Lucy Tamborino