‘No condomínio, todos são responsáveis pelo controle da pandemia’

Mayara Nascimento

Com grande concentração de pessoas, os condomínios são parte importante na força-tarefa no combate à disseminação do novo coronavírus. As áreas comuns devem ser evitadas, e a limpeza deve ser reforçada para manter a comunidade com saúde e longe da doença.

Com o isolamento social, todos passam mais tempo em casa, e o condomínio deve ser um ambiente seguro e saudável.

Para tirar as dúvidas de síndicos e condôminos no combate ao coronavírus no ambiente condominial, a Folha Metropolitana conversou com o vice-presidente do Grupo Graiche, José Roberto Graiche Junior. A empresa de administração de condomínios, também desenvolveu a cartilha “Proteja o seu condomínio do coronavírus (covid-19)”, que pode ser baixada no link: https://go.aws/3b2HNuL, para facilitar o entendimento de todos.

Abaixo os principais pontos desta entrevista que pode ser conferida na íntegra no site www.fmetropolitana.com.br.

Folha Metropolitana – Os condomínios também têm papel importante no combate ao coronavírus?

José Roberto Graiche Junior – Sim. Com as orientações do governo do Estado de São Paulo, empresas adotaram o home office, escolas entraram em recesso e idosos evitam sair de casa. Os condomínios devem resguardar as famílias e tomar todas as medidas internas possíveis para auxiliar no controle e avanço da doença. Só em São Paulo são mais de 15 milhões de pessoas em condomínios. É importante a compreensão e apoio às decisões dos síndicos e a manutenção das boas práticas de prevenção.

Quais são as medidas básicas que um condomínio deve adotar?

Reuniões e assembleias não devem ser convocadas neste momento. Nas áreas comuns, por exemplo, dispensers de álcool em gel devem ser instalados em locais estratégicos, como porta dos elevadores, portarias e acessos principais. Caso o produto não seja encontrado, diante da alta procura, pode ser substituído por álcool 70%. Na limpeza geral, recomenda-se alvejantes, álcool ou produtos com hipoclorito de sódio.

Quais os cuidados com a área comum?

A atenção deve ser redobrada quanto à limpeza, especialmente em maçanetas, botoeiras, corrimãos, elevadores e halls comuns. Os funcionários que exercem esse trabalho devem usar equipamentos de proteção, como luvas e máscaras. Todos os colaboradores devem ser orientados e, caso manifestem sintomas da doença, devem comunicar imediatamente à administração e serem afastados. Os ambientes das áreas comuns precisam estar bem arejados com ventilação natural, com portas e janelas abertas. As garagens são, na maioria dos casos, fechadas e a circulação de pessoas deve ser apenas em casos de real necessidade.

O elevador deve ser evitado? 

Por ser um ambiente fechado, deve-se evitar a lotação, por mais rápida que a viagem seja. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que famílias circulem sozinhas pelos elevadores. Peça paciência aos moradores para o uso consciente do equipamento, mas com delicadeza e sem preconceitos. Uma família por vez, que more no mesmo apartamento, é o ideal.

A portaria é um serviço essencial para o funcionamento do condomínio. Como proteger os funcionários do contato com os moradores?

O síndico pode montar um fluxo de atendimento às entregas, para que o contato corporal na portaria entre porteiros, moradores e entregadores seja o menor possível e que aconteça de forma organizada para evitar grande fluxo. Os moradores também podem evitar serviço delivery, que aumenta a rotatividade e fluxo de pessoas nas portarias.

Quais são as medidas que o síndico pode tomar para manter a saúde do condomínio, tanto financeira quanto dos moradores?

A regra básica é não convocar novas reuniões e assembleias. Evite, neste momento, contratações emergenciais de serviços e pedidos de pagamentos extras, buscando prever, no mínimo, três dias de antecedência para pagamentos fora da rotina. Também é importante ter um diálogo aberto com os moradores, para que não usem os salões de festas, churrasqueiras, espaços gourmet, entre outros. Quanto aos funcionários, oriente e dê assistência, especialmente aos com mais de 60 anos.

O que os moradores podem fazer para ajudar no combate?

Os moradores devem evitar circular nas áreas comuns do condomínio. Outra dica é o cuidado extra com as crianças, que são as maiores transmissoras do vírus. Evitar o contato com idosos ao máximo. Ao chegar em casa, lavar as mãos com água e sabão por, no mínimo 20 segundos, e não se esqueça de fazer o uso do álcool em gel com intervalos de, no máximo, duas horas.

Os moradores podem fazer a limpeza do hall?

O morador pode limpar as maçanetas das portas do próprio apartamento com álcool sempre que alguém chegar, e utilizar produtos de limpeza com cloro para higienização de superfícies e pisos. Os sapatos no hall atrapalham a circulação e devem ser evitados.

Com as crianças em casa, como substituir a diversão das áreas comuns?

É importante criar uma rotina de atividades para que elas enfrentem esse período. Oriente as crianças, especialmente sobre a higienização e o contato com idosos, mas sem pânico. Evite brincar em ambientes comuns fechados. Pais poderão usar a criatividade envolvendo as crianças em tarefas domésticas e didáticas para que elas permaneçam ativas mesmo dentro dos apartamentos, e os vizinhos precisam ser compreensivos.

Como o condomínio pode ajudar os idosos, que não podem sair de casa?

As recomendações em relação aos cuidados com os idosos são de extrema importância. O ideal é que eles permaneçam em isolamento por todo o período do pico da pandemia no Brasil. Isso significa que os idosos devem permanecer dentro da unidade, evitando ao máximo a circulação. Eles não devem receber visitas, mas todos podem colaborar com o bem-estar dos vizinhos. Para que eles não precisem sair para supermercados e farmácias, os familiares podem providenciar o abastecimento. Manter o afastamento social é crucial, mas não se deve esquecer de ofertar ajuda e manter o contato com os idosos através do telefone para evitar quadros de depressão e mantê-los assistidos em outras necessidades e/ou emergências.

Caso um morador contraia coronavírus, ele deve informar o síndico?

No condomínio, todos são responsáveis pelo controle da pandemia. Se estiver doente, informe a administração do condomínio e adote o pleno isolamento por, no mínimo, 14 dias. O Ministério da Saúde lançou um aplicativo gratuito que pode ser acessado pelo iOS e Android nas plataformas – Coronavírus SUS. Baixe e acompanhe dicas e triagem virtual.

- PUBLICIDADE -