Mulheres vítimas de violência contam com a Patrulha Maria da Penha em Guarulhos

Pedro Lacerda

A Patrulha Maria da Penha está em atividade em Guarulhos. O trabalho é proteger as mulheres que contam com ordens da Justiça para que os agressores mantenham distância delas. Agora, homens violentos podem ser flagrados a qualquer momento pelas equipes da patrulha, que fazem rondas e visitas constantes nas casas das vítimas.

A Guarda Civil Municipal (GCM) cuidará da proteção, prevenção, monitoramento e acompanhamento das denúncias de mulheres que possuam medidas protetivas de urgência na Justiça. Dessa forma, a Secretaria para Assuntos de Segurança Pública disponibilizará uma viatura com dois guardas, por plantão, para proteção à mulher vítima de violência.

Já a Secretaria da Saúde disponibilizará uma ambulância com motorista e uma auxiliar de saúde para a condução da vítima ao hospital de referência; a Secretaria de Desenvolvimento e Assistência Social disponibilizará uma viatura, com dois funcionários para o atendimento, acompanhamento e orientação da vítima e dos familiares; e a Subsecretaria de Política para as Mulheres prestará acolhimento, acompanhamento psicossocial e orientação jurídica às mulheres em situação de violência doméstica.

A patrulha foi regulamentada através de decreto publicado na edição da última terça-feira (31) do Diário Oficial do município. Segundo a publicação, a utilização da Lei Municipal baseia-se na importância da proteção às mulheres vítimas de violência no município, servindo também para garantir o atendimento humanizado e inclusivo à mulher em situação de violência havendo ordem judicial de urgência, observado o respeito aos princípios da dignidade da pessoa humana e da não discriminação.

Pimentas é o bairro com maior índice de violência contra a mulher

O bairro dos Pimentas é a região de Guarulhos que concentra o maior índice de violência contra a mulher. No primeiro semestre deste ano foram registrados 460 casos, sendo a lesão corporal/maus tratos o com maior incidência, com 169 ocorrências.

O segundo bairro com alto índice de violência contra a mulher é o Bonsucesso, com 318 casos; seguido pelo Cabuçu, 282; Cumbica, 274; e Taboão, com 265 casos no período.

Imagem: Nico Rodrigues