Mortalidade por infarto em Guarulhos cai de 25% para 7,2% dos casos em dois meses

Com a implantação do programa de telemedicina Latin (Latin America Telemedicina Infarct Network) na cidade, em dezembro do ano passado, a mortalidade por infarto em Guarulhos caiu de 25% para 7,2% em menos de dois meses.

O programa tem por objetivo agilizar o atendimento a emergências cardíacas, por meio de uma rede de comunicação que conecta as unidades de pronto atendimento (UPAs e PAs) ao hospital de referência cardíaca na cidade, o Stella Maris.

O tratamento do infarto (cateterismo e angioplastia), que antes era realizado em dois dias, hoje é executado em uma hora e meia. “Conseguimos em um período muito curto atingir nosso objetivo principal, que é tratar o infarto no menor espaço de tempo possível para poupar vidas”, comemorou o cardiologista responsável pelo programa em Guarulhos, Cristiano Freitas de Souza, diretor do Departamento da Rede de Urgência e Emergência da Secretaria de Saúde.

Desde sua implantação até agora já foram atendidos 2.382 pacientes com queixa de dor torácica, que fizeram o eletrocardiograma pelo programa de telemedicina. Desses, 28 tiveram diagnóstico de infarto e foram encaminhados para o Hospital Stella Maris para a realização de cateterismo de urgência, número que corresponde a pouco mais de 1% do total de pessoas investigadas, mesma média registrada em outros estados e nos demais países onde o programa é utilizado.

A boa notícia é que dos 28 casos confirmados de infarto, apenas dois evoluíram para óbito. Segundo o cardiologista responsável pelo LATIN no Stella Maris, Fábio Kanamaru, esse resultado é fruto da agilidade conquistada no tratamento. “Antes, o paciente dava entrada na UPA ou no PA, era removido para um hospital de referência e somente depois era encaminhado para a realização do cateterismo, o que aumentava o risco de complicações e morte”, explicou.

Foto: Divulgação