Ministério da Saúde atrasa repasse e pacientes sofrem com falta de medicamentos na farmácia de alto custo de Guarulhos

Lucy Tamborino

A farmácia de alto custo de Guarulhos está com falta do remédio tacrolimo de 1mg há mais de 15 dias, além do calcitriol. É o que denunciou à Folha Metropolitana um aposentado, de 65 anos, que teve seu rim transplantado e por isso precisa dos medicamentos.

De acordo com ele, os medicamentos podem custar por volta de R$ 1,8 mil a R$ 2 mil. “Eu não tenho condições de comprar, está muita caro. Mês passado eu consegui retirar na farmácia de alto custo, já neste me disseram que estava em falta”, lamentou.

O aposentado teme que o problema influencie em seu tratamento. “O tracrolimo abaixa a minha imunidade, se permanecer alta eu perco meu rim transplantado”, disse.

A Secretaria de Saúde do Estado informou que há uma nova entrega programada do tacrolimo 1mg para esta semana. Já em relação ao calcitriol destacou que o medicamento já foi adquirido e a previsão é que esteja disponível para retirada na próxima semana, conforme previsão indicada pelo fornecedor. Ainda a Coordenadoria de Assistência Farmacêutica mencionou que a responsabilidade de compra e distribuição aos estados é do Ministério da Saúde. No entanto, a entrega por parte do órgão federal tem sido irregular quanto a prazos e quantidades.

De acordo com a pasta, no ano passado, foi solicitado ao ministério 15,7 milhões de unidades do tacrolimo para atender os pacientes no primeiro trimestre de 2019. O órgão federal aprovou 13,3 milhões, porém entregou apenas 6,4 milhões.

A pasta ainda mencionou que concentra esforços para atender os pacientes, fazendo planejamento rigoroso de estoques e remanejamentos, quando há possibilidade, e dialoga com a nova gestão federal, para garantir a regularidade no tratamento de pacientes.

Imagem: Lucy Tamborino