Medidas do Comando reduzem significativamente letalidade da PM

A quantidade de pessoas mortas em confronto com a PM vem caindo significativamente em São Paulo. Após um período de alta nos cinco primeiros meses do ano, o mês de junho já apresentou uma redução de 20,3% na comparação com o mesmo mês de 2019. A tendência de queda se manteve nos meses seguintes, fazendo com que a comparação dos meses de junho, julho e agosto deste ano com igual período do ano anterior fosse 23,3% menor, caindo de 176 para 135 mortes.

A queda, portanto, não é pouca coisa, pois a opção pelo confronto é do criminoso e os enfrentamentos à polícia continuam ocorrendo. Para atingir tal marca, e mantê-la pelos próximos meses, o Comando da Polícia Militar, na pessoa do Coronel Fernando Alencar Medeiros, aposta, acertadamente, num forte trabalho de gestão.

Em todas as ocorrências que terminam com o resultado morte é instaurada uma comissão de mitigação de não conformidades. Tal comissão tem o objetivo de analisar os procedimentos adotados pelos policiais e propor eventuais ajustes para que o mesmo resultado não se repita no futuro. Além disso, a atividade de polícia judiciária militar, que investiga ocorrências desse tipo, foi reforçada, assim como todo o sistema de supervisão.

Investimentos na aquisição de armas de menor potencial ofensivo, como armas de incapacitação neuro muscular (AINM) e espargidores de agentes químicos também estão sendo feitos para dar ao policial uma alternativa à força letal em determinados tipos de ocorrência.

Esse trabalho duro e sério já está dando certo e os resultados tendem a melhorar. Os nossos policiais militares desenvolvem um excelente trabalho pelo cidadão e pela preservação da vida e necessitam de todo o apoio do Comando e da valorização da sociedade.

É preciso ressaltar que o PM também morre pelo simples fato de ser policial. Além de ser um trabalho difícil e extremamente arriscado, o policial segue suas atividades sem saber se irá retornar para casa. Por isso, oferecer treinamento, modificar procedimentos e adquirir os melhores equipamentos é uma demonstração de elevado grau de respeito com toda a tropa.

Com tais medidas, a Polícia Militar demonstra seu absoluto compromisso com os Direitos Humanos que, ao lado da polícia comunitária e da gestão pela qualidade constituem a base doutrinária de sustentação da Instituição. A razão de ser da polícia é o cidadão.

A Polícia Militar é o sustentáculo da democracia, a garantidora do Estado democrático de Direito, o último anteparo do cidadão contra a criminalidade e, em muitos locais, o único.

Coronel Alvaro B. Camilo