Mais quatro pessoas morrem por sarampo em São Paulo

Da Redação

A Secretaria Estadual de Saúde confirmou ontem mais quatro mortes por sarampo em São Paulo. Em 2019, um total de nove pessoas morreram no estado devido a complicações pela doença. Todas as mortes têm confirmação laboratorial.

As vítimas confirmadas são um bebê do sexo feminino, com 11 meses, na capital; uma mulher de 46 anos, que tinha condições de risco, em Itanhaém; uma mulher de 59 anos, sem histórico de vacina, em Francisco Morato e um homem de 25 anos, sem registro de vacinação, em Osasco.

O Centro de Vigilância Epidemiológica estadual faz o monitoramento contínuo da circulação do vírus. Somente neste ano, 5.411 casos de sarampo foram confirmados laboratorialmente. Considerando que o vírus já circula em todo o território paulista, a partir de agora o estado passa também confirmar casos com base no critério clínico-epidemiológico, ou seja, com base em sintomas e avaliação médica, conforme prevê o Guia de Vigilância Epidemiológica do Ministério da Saúde. Com isso, mais 976 casos foram confirmados via critério clínico-epidemiológico. Cerca de 59% do total de casos se concentram na capital paulista.

Segundo alerta a secretaria, são consideradas pessoas com condição de risco os portadores de doenças crônicas, como diabetes, hipertensão e imunodeprimidos, que podem ficar mais vulneráveis à infecção e a evolução do quadro com maior gravidade.

Campanha

A Secretaria de Estado da Saúde começará na próxima segunda-feira (07), em parceria com os municípios e o Ministério da Saúde, campanha de vacinação contra o sarampo com o objetivo de alcançar crianças de 6 meses a 5 anos ainda não imunizadas contra a doença.

No sábado (19), haverá o “Dia D”, quando os postos de saúde estarão abertos para facilitar o acesso dos pais e responsáveis. “A tríplice viral protege contra sarampo, caxumba e rubéola. Mantê-la em dia é a melhor forma de prevenção e, por isso, convocamos as mães, pais, familiares e responsáveis para levarem os pequenos aos postos durante esta campanha”, disse a diretora de Imunização da secretaria, Helena Sato.

Em uma segunda fase, a campanha será focada em jovens de 20 a 29 anos, entre os dias 18 e 30 de novembro. No último dia, ocorrerá um segundo “Dia D”. Esse grupo poderá receber a dose da vacina tríplice viral ou da dupla viral (sarampo e rubéola), conforme a indicação do profissional de saúde.

Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil