Mais de 1,1 mil itens foram esquecidos na Linha 13 da CPTM

Da Redação

Um total de 1.162 itens foram esquecidos na Linha 13-Jade da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) no ano passado. A companhia contabilizou um total de 88.611 peças esquecidas nas sete linhas do sistema no período.

Ao lado de guarda-chuvas, um dos campeões de esquecimento, também figuram outros artigos curiosos como próteses dentárias, um cavaquinho, barraca de camping e, acreditem, até um drone. Em 2017, foram achados quase 78 mil itens nas seis linhas.

A Estação Brás é a mais movimentada e ostenta o primeiro lugar no ranking de objetos esquecidos: mais de oito mil itens. Quando a contabilidade é por linhas, em 2018, a campeã foi a Linha 12-Safira, com 18.508 itens perdidos.

Do total de objetos encontrados nas dependências da CPTM, a média de devolução gira entorno de 40%. O trabalho intenso dos funcionários da Central de Achados e Perdidos é fundamental para isso, já que 70% das devoluções são feitas devido a investigação minuciosa e contato ativo feito pelos empregados da central. Apenas 30% das devoluções ocorrem por iniciativa do proprietário.

Todos os objetos entregues na central ficam armazenados por até 60 dias. É neste tempo que os empregados atuam para achar o dono e, quando estes não são localizados, os itens são encaminhados para o Fundo Social de Solidariedade do Estado de São Paulo, entidade social mantida pelo Governo do Estado. A instituição já foi beneficiada com roupas e brinquedos entre outros. No caso dos documentos, a maioria é devolvida aos órgãos expedidores, e os cartões de banco são destruídos.

Imagem: Nícollas Ornelas