Mais de 1.300 pessoas morreram de câncer em Guarulhos no ano passado

Lucy Tamborino

Essa semana acontece o Dia Mundial do Câncer, porém em Guarulhos não há muito que comemorar: 1.358 pessoas morreram devido à doença no ano passado, o número representa 23 óbitos a mais em relação a 2017, quando 1.335 pacientes morreram.

Nos dois últimos anos, o câncer maligno dos pulmões foi o responsável pelo maior número de vítimas fatais. Em 2017 ocorreram 152 mortes, já no ano passado os índices cresceram, representando 161 pacientes que não resistiram.

Segundo a médica oncologista Mariana Laloli, o número de mortes desse tipo de câncer é recorrente não só em Guarulhos. “Câncer de pulmão apresenta maior malignidade de todos os tipos e é também o que mais mata”, explica.

Ainda de acordo com ela o principal fator de risco é o tabagismo. “O cigarro aumenta a possibilidade em 20 a 30 vezes mais do indivíduo ter câncer de pulmão”, explica. Apesar disso esse não é o único motivo para doença, conforme a profissional a poluição é outro fator influenciador.

Todo o câncer é uma doença crônica e se diagnosticado nas fases iniciais a taxa de cura é alta. “O grande problema do câncer de pulmão é ser uma doença silenciosa”, lamenta Mariana. “Já em fase avançada existem alguns sintomas como emagrecimento, tosse com catarro e sangue, falta de ar, além de episódios recorrentes de pneumonia”, completa. Para ela, a prevenção seria o não tabagismo.

O Dia Mundial do Câncer foi criado em 2005 pela União Internacional para o Controle do Câncer (UICC), com o apoio da Organização Mundial da Saúde (OMS). A data é uma campanha de utilidade pública que busca evitar milhões de mortes a cada ano por meio do aumento da conscientização e da educação sobre a doença, além da pressão sobre governos em todo o mundo para que se mobilizem pelo controle do câncer. 

Imagem: Divulgação