Madeira descartada vira casinhas para pássaros

Um pedaço de madeira deixado numa caçamba ou descartado indevidamente na natureza se transforma em casinha para passarinhos nas mãos de Francisco Guetti, executivo do terceiro setor que, na pandemia, transformou o artesanato em sua principal fonte de renda.

Com uma criatividade excepcional, Guetti já produziu quase 200 modelos exclusivos de casinhas, reutilizando materiais considerados no fim de sua vida útil por outras pessoas. “Quando avisto uma obra ou encontro tábuas e ripas de madeira jogadas na mata, vou até lá e retiro tudo aquilo que é importante para meu trabalho. Nas madeireiras, também reaproveito o que viraria descarte”, afirmou.

O projeto sustentável, que ganhou o nome Ninho de Pássaros, tem o intuito de transformar “lixo” em obras de arte, que não apenas enfeitam os ambientes externos, mas, principalmente, acolhem e alimentam os pássaros que vivem livres na natureza, além de diminuir impactos ambientais. Em apenas quatro meses, pelo menos 1,5 tonelada de madeira descartada foi reaproveitada para a criação das casinhas.

A iniciativa nasceu da demanda de um comedouro para os pássaros que visitam sua própria casa, em Caieiras, todos os dias. “Há um ano, eu e minha esposa, Juliana, saímos do nosso apartamento em São Paulo para morar em uma casa na Serra da Cantareira. Todas as manhãs, enquanto tomávamos nosso café, ficávamos observando pela janela da cozinha os passarinhos buscando alimento nas árvores. Foi aí que tive a ideia de fazer um comedouro para pendurá-lo em uma dessas árvores”, contou Guetti.

“Aquilo nos dava um prazer tão grande, que resolvemos fazer mais duas casinhas e presentear nossos novos vizinhos. Foi assim que tudo começou. Outros moradores do condomínio e alguns amigos viram as postagens que fizemos dos comedouros nas redes sociais e começaram a fazer suas encomendas”, lembrou Juliana, que é sócia no projeto.

O Ninho de Pássaros ganhou uma conta no Instagram (@ninhodepassarosoficial), e os pedidos não pararam mais. “Temos uma representante em Jaú (@vilaflorajau), uma em Mairiporã (@emporio_santaines) e outra em Ubatuba (@xodoracoesubatuba). Mas grande parte das encomendas vem de seguidores do Instagram que amam os pássaros e a natureza e ficam encantados com as casinhas e com o projeto sustentável”, afirmou Guetti.

Entregas

Para o casal, que encontrou no “Ninho” uma saída para a crise que afetou suas profissões, a melhor parte do projeto está na entrega das casinhas. “A cada entrega, uma emoção. A reação das pessoas é incrível. Elas realmente se emocionam com as obras e seus detalhes. Depois nos reportam, enviando mensagens, fotos e vídeos, o momento que começam a receber seus visitantes”, declarou Juliana.

Amante da natureza e das aves, a secretária Isabel Vitor dos Santos teve uma surpresa ao receber sua casinha, que pendurou na varanda de seu apartamento, em São Paulo: “Fiquei chocada com a delicadeza e os detalhes do trabalho. E quando soube que as casinhas são feitas com restos de madeira que seriam jogados no lixo, isso me deixou muito, muito feliz. Agora, sentada aqui à mesa, tomando meu café, gozo do prazer de ver os pássaros chegando, comendo o mamãozinho que coloquei pra eles… É tudo tão encantador”, declarou.

A chef de cozinha funcional Maria Waldeli de Oliveira Paes, de Jaú, conheceu o “Ninho” pelo Instagram. “A cada postagem do Ninho de Pássaros que eu via no Instagram, ficava cada vez mais apaixonada, com mais vontade de ter uma casinha dessas aqui, pendurada embaixo de uma árvore. A gente já cuida e alimenta os pássaros que visitam minha casa, mas ter uma casinha dessa era um sonho”, confessou.

Para ela, o trabalho sustentável que tem por trás de todo o artesanato é incrível! “Reaproveitar madeiras para criar casinhas que alimentam os pássaros da natureza é sensacional”.

A advogada Daniela Ferrari, de Itu, foi privilegiada com uma casinha desenhada pela própria filha, Alícia, de 6 anos. “Quando conhecemos o Ninho, ficamos encantadas com o trabalho. Pedi, então, para minha filha desenhar a casinha que ela tanto queria. Para nossa surpresa, ficou exatamente como ela desenhou. Todos os dias, ela coloca comidinha para os pássaros, depois vai conferir se eles comeram”, contou.

Cada casinha é única e exclusiva para cada pessoa. “Pegamos referências do que elas gostam, das cores preferidas, das profissões, dos hobbies, enfim, para criar obras personalizadas. Já fizemos temas diversos: de flores a cavalos e de santos à bruxas”, concluiu o artesão.

Campanha

Recentemente, Francisco e Juliana criaram uma campanha na qual a cada duas casinhas vendidas para uma única pessoa, a terceira é doada pelo “Ninho” para o condomínio ou residencial onde ela mora. “É uma maneira de revitalizar o ambiente onde vivem e atrair cada vez mais pássaros para o local. Incentivamos as pessoas, incluindo crianças, a colocar frutas ou ração para os passarinhos. Já implementamos a campanha em dois condomínios da região de Caieiras”, explicou Juliana.

O jornalista Tomas Fischer, de Caieiras, foi um dos moradores do condomínio onde mora a participar da campanha. Ele adquiriu duas casinhas, e a “Ninho” fez a doação da terceira para enfeitar a área comum do empreendimento. O próprio morador, em vez de pendurar as outras duas em sua casa, preferiu doá-las ao condomínio. As três estão instaladas ao redor dos lagos para receber os passarinhos.

“As casinhas para pássaros do Fran e da Ju lembram contos de fadas, fantasias, bosques. Mas o bom é que os pássaros logo gostam e usam. Adoramos, e a vibração das crianças provou que as casinhas agradam a todos, humanos e pássaros. As casinhas atraem felicidade. No condomínio Alpes de Caieiras, Fran e Ju assumiram a doação de uma casinha para cada duas vendidas. O resultado, espetacular, é que em volta dos lagos, temos um espetáculo de casinhas de formatos e inspirações das mais variadas. Um privilégio para todos os moradores. Uma boa ideia que beneficia todo mundo”, declarou o jornalista.

Gnomos

Uma brincadeira com a filha Gabriela, que é “louca” por gnomos, rendeu um novo produto para o Ninho de Pássaros. “A Gabi tem 21 anos, mas afirma acreditar em gnomos. Foi pensando nela que criamos a portinha de gnomo, um peça de decoração para colocar no tronco das árvores, no jardim ou até na varanda para trazer sorte”, disse Guetti.

As portinhas também são feitas com madeira de descarte.

Tanto as casinhas para pássaros quanto as portinhas de gnomos podem ser adquiridas pelo Instagram – @ninhodepassarosoficial.

Para os passarinhos, há casinhas de dois tamanhos: a menor tem 45 centímetros de altura por 29 centímetros de largura e 45 centímetros de profundidade, e a maior, 65 cm x 29 cm x 45 cm. Elas vêm com porta-frutas e ganchos para pendurar bacias para banho ou bebedouros para beija-flores.

Todas são decoradas de acordo com o tema e finalizadas com verniz marítimo para resistir ao tempo. Elas podem ser penduradas por cordas ou presas a mourões de madeira, que também recebem tratamento com mistura de óleo queimado, gasolina, verniz e tinta para que tenham durabilidade maior em contato com a terra.

As peças são produzidas com material de poda, descarte de madeireira e de obras, flores e folhas secas, pó de serra, musgo e objetos em miniatura.

Fotos: Fabio Rizzato