Impressoras 3D: um mundo de possibilidades em Guarulhos

Da Redação

Inovação disruptiva, assim como a Robótica, Biotecnologia, Economia Compartilhada e o ‘Big Data’, é aquilo que afetará significativamente bilhões de vidas e ameaçam profissões tradicionais ao redor do mundo, a Impressora 3D criada em 1980 por Charles Hull, vem passando por um processo evolutivo muito rápido e hoje já está disponível para trabalhos dentro do escritório ou até mesmo na sala da sua casa!

Graças a tecnologia FFF (Fused Filament Fabrication), que derrete um filamento termoplástico e deposita camada por camada em uma mesa de impressão, um objeto tridimensional é criado a partir de um arquivo contendo um modelo 3D. E o melhor de tudo isso é que se você não sabe modelar, hoje em dia já há uma infinita biblioteca de projetos na internet que você pode baixar gratuitamente (p. ex. Thingiverse ou Cults) e mandar imprimir, simples assim!

Em Guarulhos, as máquinas podem ser encontradas na empresa 3D Applications. Criada no ano passado, a empresa é formada por Maxwell Costa, Eric da Costa, Rogério Girodo Marques e Paulo Ricardo Souza da Silva.

“Guarulhos é a segunda maior cidade do estado e nós verificamos que aqui não existia nenhuma empresa que se dedicasse a esse mercado. Dessa forma a 3D Applications nasceu para viabilizar o acesso dos brasileiros à impressoras 3D trazidas diretamente do Vale do Silício”, explicou Maxwell Costa.

A 3D Applications é uma empresa do setor de Impressão 3D, focada na venda de impressoras 3D, seus acessórios, insumos, peças e na prestação de serviços de prototipagem rápida. Ela comercializa no Brasil as premiadas impressoras FFF/FDM 3D da marca Robo 3D. Essas máquinas foram premiadas em 2017 por sua inovação, qualidade de impressão e design. Além disso, a 3D Applications trabalha com filamentos PLA, ABS,  PETG, Flexível e HIPS de altíssima qualidade e devidamente testados e aprovados nas máquinas.

Há mais de uma tecnologia de impressora 3D, porém a mais popular é a FFF, que diferentemente de métodos tradicionais de confecção de peças como num CNC, torno mecânico ou fresas, que extraem material e gera muita perda, a impressão 3D ocorre por Manufatura Aditiva, sem perdas, presente na Indústria 4.0 e conectada a IoT (Internet of Things). “É uma nova forma de fazer as coisas. Uma relação importante e inovadora entre o homem e a máquina”, destacou.

Foto: Rômulo Magalhães