Imóveis no Centro de São Paulo são boas opções para diversificar Investimentos

Por Mauro Teixeira, sócio-diretor da TPA Empreendimentos

Antes tratada como o “patinho feio” de São Paulo, a região Central agora é a coqueluche da vez. Tem atraído muitos moradores de outros bairros para sua agitada vida cultural, gastronômica e de entretenimento. O entusiasmo com o Centro é tanto, que a Secretaria Municipal de Turismo de São Paulo elaborou o Triângulo SP, um projeto de turismo para aumentar o fluxo de visitantes na região.

Com a frequência de turistas na cidade, o que já ocorre normalmente em épocas festivas – com pessoas atrás das ofertas das conhecidas ruas 25 de Março e José Paulino; ou eventos internacionais como a Parada Gay ou Grandes Prêmios Automobilísticos, a taxa de ocupações dos hotéis atingem altos patamares e as locações temporárias de imóveis cresce ano a ano.

Os investidores têm nos imóveis uma das modalidades de aplicar seus recursos com segurança, garantia de rentabilidade e um ativo que permanece na família. Só para se ter uma ideia, em junho de 2019 o número de imóveis comercializado foi 176% acima do mesmo mês de 2018. Os dados são do departamento de Economia e Estatística do Secovi- SP (Sindicato da Habitação).

Pioneira no mercado imobiliário do Centro de São Paulo, após o abandono da região, a TPA Empreendimentos, incorporadora e construtora paulista que completou 45 anos no final de 2019, já lançou dez imóveis na região desde 2007, num total de 1.720 unidades e com um VGV de aproximadamente R$ 650 milhões, em valores atualizados, representando um preço de venda unitário médio de R$ 378 mil.

Ao longo desse tempo, investimentos de R$ 450 milhões foram feitos com recursos próprios, parcerias, permutas de terreno e financiamentos.

Sem dúvida é um bom desempenho. São números importantes para qualquer empresa, sobretudo porque os investimentos todos foram colocados no Centro, uma região de São Paulo relativamente pequena, em um momento em que o mercado estava parado..

A TPA tem sido responsável por criar um efeito multiplicador muito positivo no Centro, ao apostar em uma fórmula bem-sucedida de negócios que não só aguçou o olhar de outras incorporadoras como gerou uma concorrência sadia. A TPA foi a empresa imobiliária que deu início ao processo super relevante de reocupação do Centro. Hoje, se somarmos outras iniciativas de mercado que chegaram depois de nós, já temos cerca de 8.000 unidades produzidas na região.

O apetite da TPA pela região central não deve parar por aqui. Além das três entregas da empresa previstas para o final do ano e para 2021, dois empreendimentos devem ser lançados ao ano nos próximos ciclos, seguindo o sucesso da empresa após a entrega no primeiro semestre do Jacques Pillon Residence, edifício retrofitado pararesidencial situado na avenida Senador Queiroz (Luz).

A TPA já consolidou sua marca e tem uma identidade própria reconhecida na região que, segundo números da Prefeitura, é um mercado com capacidade para absorver unidades para 200 mil pessoas e isso também desperta os olhos de pessoas que buscam diversificar o investimento.

Outra característica da TPA é ter construído um mix de tipologias complementares capazes de atender a qualquer necessidade de cliente interessado em viver ou investir no Centro, com studios e apartamentos de um, dois ou três dormitórios que vão de 16 m² a 100 m², com ou sem vaga.

Um exemplo de empreendimento oferecido pela TPA é o recém-lançado Bella Vista Paulicéia. São studios de 18 m² e apartamentos de 1 ou 2 dormitórios, com até 48 m², em variadas tipologias que garantem o melhor aproveitamento de espaço, além de oferecer ótimas funcionalidades e as últimas tendências de decoração. O preço é outro diferencial: o valor das unidades começa em R$ 169 mil.