Guarulhos institui o Julho Amarelo: mês de combate às Hepatites Virais

Da Redação

Por meio do Programa Movimenta Saúde, que a cada mês propõe a reflexão de um tema diferente voltado à prevenção de doenças e qualidade de vida, a Secretaria de Saúde irá promover o Julho Amarelo, mês que será dedicado ao combate às Hepatites Virais. Uma extensa programação, totalmente gratuita, para incentivar o diagnóstico precoce da doença e informar a população sobre formas de contágio e de proteção será desenvolvida em todas as Unidades Básicas de Saúde (UBS) da cidade.

O destaque deste ano nas ações de prevenção às Hepatites virais ficará por conta do trabalho de conscientização com os profissionais que atuam em barbearias, salões de beleza e estúdios de tatuagem, uma vez que a doença pode ser transmitida nesses locais, por falta de observância às normas de biossegurança. Por isso, além de intensificar a orientação nesse setor, enfermeiros e auxiliares de enfermagem irão ofertar os testes rápidos para a detecção das Hepatites B e C nesses estabelecimentos.

Além disso, esse público será convidado para participar de uma palestra sobre o tema: “Vigilância Sanitária no Contexto das Hepatites Virais”. Aberto à população em geral, o evento será realizado no dia 23 de julho, das 10 às 12 horas, no auditório da Secretaria de Saúde (rua Íris nº 320, bairro de Gopoúva). Nas UBS, a programação inclui a ampliação da oferta de testes rápidos, vacinas e preservativos, realização de rodas de conversa, exibição de vídeos educativos, ação de conscientização em escolas, entre outras.

Doença silenciosa:

Os vírus da Hepatite B e C apresentam alta infectividade. São transmitidos através da via sexual, procedimentos estéticos, médicos e odontológicos sem as adequadas normas de biossegurança. Pode ocorrer também a chamada transmissão vertical (de mãe para o filho), bem como por contatos íntimos domiciliares (compartilhamento de escova dental e lâminas de barbear), através de acidentes pérfuro-cortantes, compartilhamento de seringas e de materiais utilizados para a realização de tatuagens, piercings e micropigmentação de sobrancelhas.

No Brasil, enquanto a hepatite B é mais frequente na faixa etária de 20 a 49 anos, a hepatite C acomete mais a população acima de 40 anos. A maioria dos infectados desconhece sua condição sorológica. No caso da hepatite C, por exemplo, há pessoas que fizeram transfusão de sangue antes de 1993 (quando não havia teste para diagnosticar a doença) ou que utilizaram seringas não esterilizadas contaminadas sem saber.

Em Guarulhos, foram confirmados 67 casos de Hepatite B e 55 da C em 2017. Neste ano, até o momento, foram infectadas 36 pessoas com Hepatite B e 16 com a C. Segundo dados do Ministério da Saúde, mais de 80% dos casos graves de doenças do fígado, como a cirrose, o câncer e os transplantes são provenientes das Hepatites B e C, entretanto, apenas 5% dos infectados estão diagnosticados.

Imagem: André Luiz D. Takahashi