‘Guarulhos abraça todo mundo do jeito que pode abraçar’

Mayara Nascimento

Em seu terceiro ano de mandato, o prefeito Gustavo Henric Costa, o Guti (PSB), comemora o aniversário de 459 anos da cidade com a notícia do fim do rodízio de água e o início do tratamento de esgoto. A infraestrutura desenvolvida é necessária para abrigar os novos guarulhenses que chegam à cidade, sejam eles nascidos no município ou aqueles que escolheram Guarulhos para morar.

O prefeito concedeu uma entrevista coletiva nesta semana onde apresentou projetos e apontou as principais conquistas desse período. Confira os principais pontos.

Folha Metropolitana: Quais foram as principais ações desses três anos de governo?

Prefeito Guti – Equilíbrio de contas; acabar com o rodizio de água; avançar no saneamento básico; iluminar muito a cidade, porque traz segurança e concluir todas as obras paradas que a outra administração deixou. A principal foi a do rodízio, pois água é vida. A pessoa que não tinha água precisava se programar, vigiar na madrugada, encher balde, mudava a rotina e a vida da pessoa. Acabar com o rodízio com certeza é o maior legado que eu deixarei.

Qual é a perspectiva para o ano que vem?

A retomada da economia já começa a ser aparente. Muito mais do que os próprios resultados, o otimismo está puxando a economia para cima. Não temos dúvida que 2020 será um ano econômico muito melhor do que 2017, 2018 e 2019. Isso reflete diretamente na empregabilidade, que é uma das minhas maiores preocupações. A pessoa quando está bem empregada, precisa menos do poder público. Uma das melhores políticas públicas do mundo é gerar emprego e gerar renda.

Muitas empresas e novos investidores estão chegando à Guarulhos. Como está a cidade economicamente?

Conseguirmos um incremento extraordinário e crescer muito. Uma chuva de universidades veio para cá. Além de capacitar melhor os estudantes, não só de Guarulhos, pois vêm alunos de fora, isso movimenta a economia local e afeta a questão da empregabilidade. Guarulhos está começando a virar um turismo de compras. Temos grandes shoppings, um outlet e outro está chegando ano que vem, até março será inaugurado e gerará dois mil empregos. A retomada econômica sempre vem através de dois fatores. O primeiro é a macroeconomia e o outro é a credibilidade do município. Os investidores começam a acreditar em Guarulhos e percebem uma segurança jurídica para investir. Hoje eles entendem como investir na cidade, pois cada vez mais apoiamos os novos negócios. Lançamos o caderno econômico, um mapa do que investir na cidade, temos o Via Rápida empresarial, e estamos facilitando o máximo possível. Temos duas leis para aprovar na Câmara Municipal ainda neste ano, que é a lei da micro e pequena empresa e a nova lei de incentivos fiscais.

Também estamos observando um crescimento populacional, principalmente com a chegada de pessoas de outros locais que encontram em Guarulhos uma cidade para recomeçar. Quais são os planos para a habitação?

O guarulhense, como a maioria dos brasileiros, é um povo muito hospitaleiro, que abraça. Enquanto poder público, temos uma série de dificuldades e desafios. A partir do momento que uma região se adensa, temos que pensar o transporte público e a moradia para poder acomodar de melhor maneira possível essas pessoas. Guarulhos abraça todo mundo do jeito que pode abraçar. Nosso plano hoje é mais audacioso para a habitação, levando em conta que temos problemas financeiros. Projetos habitacionais de construção seriam muito mais complicados por questões financeiras. Estamos investindo muito e neste ano ainda iremos lançar aproximadamente mil regularizações fundiárias em quase toda a cidade.

E os projetos para a mobilidade urbana?

Um projeto enviado para a Câmara e, espero que seja aprovado neste ano, é o Passe Livre para o estudante. Ele terá algumas regras. Primeiro a pessoa tem que estar matriculada e estudando; segundo é atrelado a algumas cláusulas sociais, ou seja, o Bolsa Família. Será uma viagem de ida e uma de volta, em dias de semana. Não adianta termos boas universidades se a pessoa não consegue se locomover. O Passe Livre é justamente pra isso, para fomentar o ensino na cidade e será subsidiado pelo transporte público municipal. Também queremos expandir as ciclovias. Queremos uma ligando o CEU Bonsucesso e o Ponte Alta. Estamos estudando, ainda, algumas faixas exclusivas para ônibus.

Nos últimos três anos a prioridade foi entregar as obras que estavam paradas. Quais serão entregues até o final do ano?

Até o final do ano vamos entregar três CEUS parados: Bonsucesso, Itapegica e Continental. Temos, ainda, cinco escolas para entregar: no Parque Primavera, Parque Santo Antônio, Jardins Maria de Lourdes e Maria Dirce e Parque Uirapuru. Nesta semana entregamos 70 pontos de iluminação no Jardim Bananal, sendo 11 ruas. Vamos entregar até o final de semana a pavimentação de duas ruas e duas vielas, nos bairros São Rafael, Pimentas, Ponte Grande e Vila Flórida.

O senhor herdou uma prefeitura com um alto índice de endividamento, ultrapassando R$ 7 bilhões. Será possível encerrar o mandato com uma situação financeira melhor?

Vamos diminuir bem a dívida. Não posso falar de uma previsão tão vertiginosa. Não dá para garantir. Precisamos primeiro equacionar uma série de coisas. Conseguimos resolver mais da metade da dívida, principalmente através da parceria com a Sabesp. Conseguimos pagar R$ 1 bilhão. Acreditamos que vamos diminuir esse débito ainda mais, porém zerar ainda não dá. Precisamos ainda de mais alguns anos para conseguir sanar o problema de endividamento de Guarulhos.

Imagem: Mayara Nascimento