GRU Airport nega interferência na vigilância sanitária municipal

Da Redação

Representantes da GRU Airport participaram ontem na Câmara Municipal de reunião da Comissão Especial de Inquérito (CEI) que investiga possíveis irregularidades cometidas pela GRU Airport na administração do parque aeroportuário, em Cumbica. Os vereadores questionaram Luciano Bresciani e Carlos de Magalhães Melo sobre a informação de que a empresa dificulta a ação de agentes do Departamento de Vigilância Sanitária da Secretaria Municipal de Saúde no local. Além de auxiliar os agentes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) na fiscalização no aeroporto, somente eles podem fornecer alvarás sanitários aos estabelecimentos comerciais e de serviços.

Segundo Melo, que é coordenador de sustentabilidade e responsabilidade social da concessionária, a acusação não procede. “Nas áreas restritas, obedecemos orientação federal, fornecendo, caso a Anvisa nos peça, credenciais para que pessoas de fora do aeroporto possam fazer sua fiscalização”, explicou.

Sobre a denúncia de que poucos estabelecimentos têm o alvará expedido pela vigilância sanitária, Bresciani eximiu a empresa de responsabilidade. “É de nosso interesse que todos os locais dentro do aeroporto tenham a documentação em dia, não temos motivos para prejudicar este trabalho”, justificou.

O vereador Marcelo Lula Seminaldo (PT), presidente da CEI, marcou para a próxima terça-feira (14), um encontro com os representes da Anvisa, da Secretaria Municipal de Saúde e da GRU Airport.