Gestante morre de febre amarela, diz família

Por Rômulo Magalhães

Uma gestante de 24 anos morreu de febre amarela, segundo informações da família. Renata Aparecida de Jesus morava no bairro Água Azul e faleceu no dia 21 de fevereiro, no Hospital das Clínicas. Questionada, a secretaria de Saúde informou que se trata de um óbito ainda em investigação, tendo em vista que os exames ainda estão em análise. O atestado de óbito será entregue na próxima sexta-feira, 2 de março.

De acordo com a prima, Suzana Fernandes Arredola, que cuidou da gestante durante todo o período que ela ficou doente, Renata estava com 27 semanas de gravidez e todos os sintomas do laudo médico apontam o diagnóstico de febre amarela. Além de febre alta, ela teve calafrios, dores de cabeça e no corpo e sangramento na gengiva.

Suzana afirmou que Renata começou a passar mal na madrugada da Quarta-Feira de Cinzas. Ficou de cama na quinta e sexta-feira. No sábado, 18, foi levada ao Hospital-Maternidade Jesus, José e Maria e fez uma bateria de exames. “Ela estava com anemia, baixa imunidade, glóbulos-brancos baixo e infecção na urina”, disse.

No dia 20 de fevereiro foi para o Hospital Pimentas-Bonsucesso, realizou alguns exames. “Neste dia a médica deu o parecer de que ela e o bebê tinha poucas chances de sobrevivência”. Então ela foi transferida para o Hospital das Clínicas em estado grave.

No dia seguinte, ela faleceu. Renata era solteira e deixou um filho de 5 anos.

Imunização de gestante deve ser avaliada com obstetra, diz Febrasgo
A Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) informa que apesar de não ser indicada para gestantes, a imunização é uma escolha que deve ser avaliada junto com o médico obstetra, principalmente as gestantes que moram em regiões mais afetadas.

Entre as medidas preventivas, a Febrasgo indica evitar viajar para áreas endêmicas; as mulheres que desejam engravidar devem se vacinar e aguardar o período de 30 dias para tentar uma possível gravidez; repelentes e roupas que cubram as áreas exposta às picadas do mosquito; telas de proteção nas janelas para evitar o acesso dos mosquitos.

Quase 20 óbitos foram confirmados em Guarulhos
A última atualização da Secretaria de Saúde aponta que 18 pessoas morreram de febre amarela em Guarulhos.

Ontem, mais uma pessoa foi a óbito, com diagnóstico de febre amarela, segundo familiares. Morador do Taboão, William Silva Oliveira chegou a receber transplante de fígado no dia 23 de fevereiro, mas devido a complicações da doença, não resistiu e faleceu.

Esse caso não foi contabilizado pela prefeitura ainda.

Foto: Divulgação