GCM capacita 37 GCMs de 11 municípios em atendimento a vítimas de violência doméstica

A Prefeitura de Guarulhos realizou nesta sexta-feira (3) a solenidade de encerramento do curso de capacitação em atendimento a mulheres vítimas de violência doméstica, oferecido a 37 agentes da Guarda Civil Municipal (GCM) das cidades de Poá, Arujá, Itaquaquecetuba, Mogi das Cruzes, São José dos Campos, São Paulo, Mairiporã, Ferraz de Vasconcelos, Suzano, Atibaia e Guarulhos.


O curso teve duração de 80 horas e instruiu os GCMs sobre uma série de condutas, como escuta e orientação qualificada às vítimas, mediação de conflitos, a aplicação da Lei Maria da Penha e os serviços disponíveis para auxiliar no rompimento do ciclo de violência.


O vice-prefeito de Guarulhos, Professor Jesus, parabenizou os formandos e ressaltou a situação de vulnerabilidade em que vítimas se encontraram durante a pandemia: em 2020, mais de 105 mil denúncias de violência contra a mulher foram registradas nas plataformas do Ligue 180 e do Disque 100, segundo dados do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. “São dados inaceitáveis, que não podemos normalizar nunca, e é por isso que o nosso governo trabalha de forma consistente para combater esse mal por meio de políticas públicas de todo os tipos, inclusive a capacitação de nossos profissionais”, enalteceu.


Testemunho
Durante 27 anos a servidora pública Cesarina Silva foi vítima de violência doméstica e compareceu ao evento para compartilhar seu relato sobre o auxílio prestado pela Patrulha Maria da Penha. Criada em 2018, a inspetoria fiscaliza o cumprimento de medidas preventivas de urgência já decretadas pelo Judiciário a fim de proteger as vítimas de seus agressores.


“Sou assistida pela Patrulha Maria da Penha desde 2019 e foi um divisor de águas em minha vida. É muito difícil encontrar um apoio para sairmos da situação terrível de viver com um agressor dentro de nossa casa. O trabalho de vocês é imprescindível para nossa saúde mental, para os nossos filhos e nossa família. Fui encorajada pelo trabalho de vocês e hoje finalizo os meus estudos. Antes, pensava que não tinha saída, mas tem: vocês nos mostraram”, contou.


A capacitação faz parte do cronograma de integração que a Secretaria para Assuntos de Segurança Pública oferece a municípios paulistas a fim de padronizar as condutas que devem ser seguidas no combate à criminalidade em diversos âmbitos e criar uma proteção sistemática contra o crime no Estado de São Paulo.


“Os guardas têm uma sensibilidade incrível. Nós, vítimas, mesmo tendo certa vergonha de expor nossas histórias, podemos contar com eles para ficarmos à vontade, falar e expressar o que passamos. Não são apenas agentes de segurança pública, são agentes de mudança de vida. Por meio do apoio de vocês pude me reerguer e dar outro sentido para a minha vida e inspirar outras mulheres”, concluiu Cesarina.
 

- PUBLICIDADE -