Ex-superintendente do Saae comparece a CEI que investiga suposto sumiço de R$ 5 bilhões

- PUBLICIDADE -
Corrida Folha Metropolitana

Lucy Tamborino

A Comissão Especial de Inquérito (CEI) que investiga o suposto desvio de R$ 5 bilhões das contas do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) de Guarulhos recebeu ontem o ex-superintendente da autarquia, Afrânio de Paula Sobrinho. O profissional atuou no cargo de 2010 a 2016.

O superintendente negou qualquer irregularidade em sua gestão e mencionou a dificuldade de investigar o suposto desvio do montante com simples questionamentos. “Cinco bilhões de reais nem na Lava Jato pegaram. Isso é inimaginável. É impossível fazer conta de padaria. Todos os balanços estão aí”, disse explicando que tudo que se foi pago, investido ou contratado consta na documentação. A procuradora Oulfides Anselmo também esteve presente na reunião.

Na ocasião, foram levantados pontos como a tarifa de água, devedores da autarquia, a dívida com a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), empresas que utilizam sistema de água particular, além da crise hídrica enfrentada. “Em 2014 tivemos a crise hídrica na Região Metropolitana e a diminuição de água para Guarulhos. Então, uma receita que estava para R$ 40 milhões mensais, caiu para R$ 32 milhões e R$30 milhões no próximo ano”, destacou Sobrinho.

De acordo com ele, em 2015 ou se pagava o precatório ou a água. O primeiro foi escolhido por estar previsto em lei. O superintendente estima que a dívida em sua gestão chegou a R$ 2,8 bilhões, porém afirma que o cálculo não é ideal. “É muito difícil falar de valores depende dos juros aplicado”, pontuou. Sobrinho também mencionou que a negociação da tarifa com a Sabesp à época passou por estudos.

A CEI deve entregar o relatório até o próximo dia 24, com informações coletadas dos depoimentos de autoridades ouvidas. “Nós provocamos que o Saae contratasse uma empresa que pudesse fazer revisão dos contratos dos últimos 16 anos. Nós não temos tempo hábil para essa fazer avaliação técnica”, explicou o vereador relator da comissão, Wesley Casa Forte (PSB).

Imagem: Lucy Tamborino

- PUBLICIDADE -