Em SP, 1/3 dos eleitores se declara antipetista

DF - LULA-REUNIAO BANCADA PT - POLÍTICA - O ex-presidente Luiz Inacio Lula da Silva desembarcou em Brasilia na noite da segunda-feira (17) para dois compromissos na capital federal. Na tarde da terça, ele se reune com as bancadas federais do PT de deputados e senadores 19/02/2020 - Foto: CLÁUDIO REIS/FRAMEPHOTO/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO

O antipetismo supera o petismo como força política na cidade de São Paulo. Nada menos que 36% dos moradores não votariam de jeito nenhum no partido – mas, paradoxalmente, a legenda também é a que tem mais simpatizantes na capital (23%), segundo a pesquisa Ibope/Estadão/TV Globo.

Isso significa que o candidato a prefeito do PT, Jilmar Tatto, tem potencial de crescimento, mas também tem um teto que limita esse avanço. Ele teve apenas 1% na pesquisa Ibope.

Os antipetistas se concentram mais nas áreas não periféricas da cidade, onde a renda e os níveis de escolaridade são maiores. Quase metade (44%) dos eleitores que se definem como brancos não votariam de jeito nenhum no partido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Já entre os negros, essa taxa cai para 29%. Na divisão do eleitorado por religião, os evangélicos são marcadamente mais antipetistas que os católicos. No primeiro grupo, 45% rejeitam a hipótese de votar no PT. No segundo, são 34%.

Em nenhum segmento do eleitorado o sentimento anti-PT é tão forte como no bolsonarismo. No universo dos paulistanos que avaliam de forma positiva o governo do presidente Jair Bolsonaro, seis em cada 10 eleitores afirmam que não votariam no partido em nenhuma hipótese.

Na eleição presidencial de 2018, o então candidato Bolsonaro atropelou o PSDB – que por mais de 25 anos havia polarizado a política nacional com o PT – e conquistou uma quase hegemonia no eleitorado antipetista. Às vésperas do primeiro turno, ele tinha 61% dos votos nesse segmento.