Em depoimento, Tenório nega que tenha procurado Zeitune para falar sobre supostas ameaças do prefeito

Da Redação

Contradizendo o que foi declarado pelo vice-prefeito, Alexandre Zeitune (Rede), o ex-secretário de Habitação, Waldemar Tenório, negou em depoimento prestado na Delegacia Seccional de Guarulhos que o prefeito Guti tenha feito ameaças a Zeitune.

A Folha Metropolitana teve acesso ao depoimento, realizado no último 12, onde Tenório apresentou sua versão para a história. Ele declarou que em momento algum foi portador de qualquer ameaça da parte do prefeito.

O caso aconteceu quando Tenório visitou Guti para discutir assuntos relacionados a habitação, dentre eles a criação do Departamento de Acompanhamento e Controle de Ocupações Irregulares. Na ocasião, segundo o depoimento prestado, ele “aproveitou o ensejo da reunião com o prefeito para com ele tratar da necessária reaproximação com o vice-prefeito e entendendo ser de suma importância dar ciência ao vice-prefeito da conversa que havia tido na parte da manhã, além de solicitar do vice-prefeito que se reaproximasse do prefeito e tentasse uma composição”.

No entanto, no dia 21 de fevereiro, Zeitune registrou um boletim de ocorrência informando que Tenório teria dito que o prefeito o estava ameaçando. Segundo o depoimento, que a reportagem também teve acesso, Tenório teria marcado um encontro com o vice-prefeito para informa-lo de supostas ameaças feitas pelo chefe do Executivo.

Ele teria informado a Zeitune que durante encontro com Guti o mesmo teria dito que ele deveria parar de fazer denúncias contra a administração municipal, caso contrário ele tinha vídeos ameaçadores contra a integridade moral e que poderia denegri-lo politicamente.

No depoimento, Zeitune afirma que Tenório chegou a ver o vídeo onde ele aparecia ao lado de Marco Antônio Ferreira e outra pessoa não conhecida por ele. Todos estavam realizando um negócio não sabendo ao certo do que se tratava.

Ferreira, inclusive, está sendo procurado pela Comissão Especial de Inquérito (CEI) instaurada na Câmara para apurar suposta extorsão de Zeitune a empresário visando um financiamento para sua campanha ao Governo de São Paulo e da presidenciável Marina Silva (Rede). Até o momento, a comissão não conseguiu localizá-lo para que ele receba de forma oficial a convocação para prestar esclarecimentos aos vereadores.

Contudo, no depoimento prestado, Zeitune nega que o fato tenha ocorrido e declara que tudo não passa de uma montagem.

Foto: Fábio Nunes Teixeira