Em 24 horas, Inpe registra 63 focos de queimadas no Estado de São Paulo

Da Redação

Os satélites do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) flagraram 63 focos de queimadas entre a zero hora e a meia-noite de sábado (05), no Estado de São Paulo. Em 24 horas, o número de focos superou em muito o acumulado nos primeiros quatro dias do mês, quando foram registrados 35 incêndios. O sábado foi também o dia com o maior número de queimadas desde o início deste ano.

Conforme o coordenador do monitoramento de queimadas do Instituto, Alberto Setzer, o mato seco e a baixa umidade do ar favorecem as ocorrências. Grande parte do Estado está sem chuvas há pelo menos 30 dias. “A tendência é de aumento na quantidade de focos, pois estamos apenas no início do período seco”, disse

Os casos foram registrados em todas as regiões do interior, além da Região Metropolitana de São Paulo – houve dois focos em Guarulhos. Somente no município de Santa Adélia, na região norte do Estado, foram registrados sete focos de incêndios, dois deles em áreas de cana-de-açúcar. Analândia e Botucatu tiveram cinco focos cada.

Outras nove cidades – Aguaí, Barretos, Caraguatatuba, Casa Branca, Palmares, Pederneiras, Piracicaba, Pradópolis e São Carlos – tiveram três queimadas. Em Salto, os bombeiros mobilizaram equipes para combater um incêndio numa área de capoeira à margem da rodovia Santos Dumont (SP-75). Em Catanduva, o fogo em vegetação seca chegou perto de um núcleo de casas do bairro Nova Catanduva e moradores foram obrigados a deixar os imóveis.

Na tarde de sábado, a umidade relativa do ar baixou para 24% em Ribeirão Preto e a Defesa Civil da cidade entrou em estado de atenção. Campinas, com umidade do ar a 27%, e Araraquara, com 28%, também entraram em atenção. Conforme a Defesa Civil, isso acontece quando o índice fica entre 21% e 30% – o ideal para a saúde humana é acima de 60%. A umidade baixa também favorece a concentração de poluentes no ar.