Dia da Bandeira: reaviva o patriotismo

Mesmo em tempos mais conflitantes, como o que vivemos hoje, a bandeira surge como uma fonte de esperança e de incentivo pela busca de um ambiente ideal para todos. Ela também nos remete ao orgulho que temos pela pátria e a satisfação de sermos brasileiros. A bandeira ainda representa a nossa nação em todo o mundo. Nesta quinta-feira, 19, é comemorado o Dia da Bandeira, em homenagem à bandeira brasileira.

 A Bandeira Nacional integra um dos quatro símbolos oficiais do nosso país, de acordo com a Constituição: O Hino Nacional, o Brasão da República e o Selo Nacional. A exposição e utilização desses símbolos são reguladas inclusive por lei.

Desde os primeiros anos de escola aprendemos que os símbolos marcaram a criação do país e, desta forma, podemos perpetuar nossa história e repassarmos experiências aos mais novos. No caso da bandeira, ela foi criada após a Proclamação da República, no ano de 1889, quando Marechal Deodoro da Fonseca se tornou o primeiro presidente do Brasil.

 Nos quartéis e colégios militares, o hasteamento da bandeira, que representa o estado soberano, e o canto do Hino Nacional fazem parte da rotina com demonstração de civismo e patriotismo.

Infelizmente, algumas pessoas confundem a cerimônia com ações que relembram a ditadura, o que não é verdade. Por outro lado, em determinados momentos da nossa história, vimos que algumas pessoas fizeram um uso errado e criminoso da bandeira, quando a queimaram durante protestos como uma forma de chamar a atenção.

Um fato curioso é que no dia a dia nos deparamos com pessoas que ostentam bandeiras de outros países em bonés, jaquetas e tênis. Isso é perfeitamente possível, mas por que também não usamos a nossa bandeira como símbolo? Ela também merece lealdade e respeito.

É justamente essa questão que merece ser reacendida nas escolas, especialmente aos jovens em processo de formação. A mesma iniciativa pode vir de casa, quando os pais ou responsáveis incentivam o amor à pátria e, acima de tudo, o respeito.

Sou filho de militar e acabei optando pela mesma carreira, com orgulho. Sempre recebi essa internalização de valores éticos e morais. Desde pequeno, meus pais já me incentivavam a estudar e diziam como era fundamental manter o respeito ao próximo e aos mais velhos.

A defesa da Pátria e o estímulo à educação mudam os caminhos e cenários. Pode parecer uma indicação simples, mas é desta forma que o cidadão poderá pensar e lutar por uma nação mais fácil de se viver. Com educação, a pessoa se torna uma formadora de opinião, podendo passar sua experiência adiante e questionar informações que recebe.  

Coronel Alvaro B. Camilo