Das ruas às bibliotecas: empresária supera drama familiar e escreve livro de autoficção

Uma menina de três anos perdeu a mãe após o parto do irmão mais novo, em 1982. Ainda criança e sem o devido cuidado do pai, fugiu de casa depois de ser várias vezes atacada pela madrasta. A criança morou nas ruas – por muitos anos, entre idas e vindas – até o resgate, aos 11 anos, por suas tias.

Esta é uma história que, com certeza, geraria um sentimento de revolta na maioria das pessoas. Mas não para Luciene Müller, hoje empresária e escritora de 41 anos. Sem o olhar julgador – do qual foi vítima tantas vezes –, ela reencontrou o pai depois de anos aprendendo sozinha a enfrentar perigos e a sobreviver e decidiu transformar em páginas de amor fraternal o seu autoconhecimento.

Colo Invisível, livro que será lançado no dia 29 de setembro pela Format Editora, na qual Luciene é sócia com o marido Osmar Müller, resgata a sofrida história familiar da autora, que superou dramas particulares para realizar um sonho e escrever a sua primeira obra, partindo das vagas noções dos fatos. O livro é uma “autoficção”, estilo literário que combina outros dois: a autobiografia e a ficção.

“Eu sempre escrevi. Sempre gostei de literatura. Muitas vezes eu dormi em uma biblioteca pública, por ser mais seguro do que na rua. Foi quando iniciei meu contato com o mundo da cultura e da literatura, mesmo longe das condições ideais para isso”, explica a autora.

O nome do livro remete aos “colos” que ela perdeu, aos que a acolheram e aos que a ajudaram a se transformar em uma mulher forte, de sorriso contagiante, atualmente empresária de sucesso em Guarulhos, na Grande São Paulo: além da Format Editora, ela divide com o marido a sociedade no bar Don Cordelli.

Na relação conturbada com o pai, Luciene acabou sendo afastada de seu irmão, que foi adotado por outra família e com quem, hoje, mantém uma relação de muito carinho. “O livro também é para o meu irmão. É para resgatar a história dele. Eu lembro vagamente que, quando minha mãe estava grávida dele, eu esperava seu nascimento ansiosamente para brincarmos juntos. Infelizmente, isso não foi possível”, diz.

Luciene também destaca que não pensa em se vitimizar ao expor suas memórias em Colo Invisível. Pelo contrário. “Eu quero, na verdade, ajudar pessoas que sofrem com dramas parecidos. Já faço isso há anos por meio de palestras. Foi justamente durante uma delas, em um albergue, que eu enxerguei a necessidade de publicar essa história. Quero muito que ela sirva de reflexão. Muita gente precisa saber que existe abandono afetivo, solidão infantil, violência doméstica, mas que tudo pode ser superado. Com leveza, união e sem qualquer tipo de julgamentos. Tudo passa”, pondera.

“A minha grande motivação ao publicar meus devaneios, questionamentos e memórias é jogar luz aos casos de crianças que crescem em ambientes disfuncionais e os impactos da negligência na transformação desses indivíduos. É mostrar que é possível buscar outros colos e que o conhecimento é um agente transformador”, salienta.

Nascida em São Paulo, Luciene Müller desenvolveu uma relação de amor com Guarulhos. Ela se mudou para a cidade quando decidiu morar sozinha, há mais de 20 anos. E foi no município que conheceu seu marido, Osmar, com quem construiu uma sólida relação e tem uma filha, a Jenny, de 22 anos.

“Guarulhos é tudo para mim. Foi onde renasci, conheci o amor da minha vida e me tornei a mulher que sou hoje”, finalizou a autora.

Serviço

Lançamento do livro “Colo Invisível”, de Luciene Muller

Dia 29 de setembro, às 19h

Don Cordelli – Rua Tapajós, 75 – Guarulhos

Por causa da pandemia, o acesso ao bar será restrito