Comunicação brasileira perde Paulo Barboza, Gil Gomes e Otávio Frias Filho

SP - GIL GOMES/MORTE - VARIEDADES - Foto de arquivo de 19/04/2007 do apresentador e radialista Gil Gomes, que morreu nesta terça-feira, 16, aos 78 anos. Ele passou mal na segunda- feira, 15, e foi levado ao Hospital São Paulo, na zona sul da capital paulista, mas não resistiu. A causa da morte ainda não foi divulgada, tampouco informações sobre velório. O radialista sofria com mal de Parkinson desde 2005. (ATENÇÃO: MAIS OPÇÕES DE FOTO NO BANCO DE IMAGENS) 19/04/2007 - Foto: HÉLVIO ROMERO/ESTADÃO CONTEÚDO

Da Redação

A comunicação brasileira perdeu três importantes nomes de sua História. Em abril o radialista Paulo Barboza faleceu vítima de um infarto fulminante. Ele começou sua carreira de radialista na Rádio Imperial, em Petrópolis, em 1959. Teve passagens pelas rádios Record, Globo, Super Rádio Tupi, América e Capital.

Em agosto Otavio Frias Filho morreu vítima de um câncer originado no pâncreas e diagnosticado no final de 2017. Jornalista, ele foi diretor de redação do jornal Folha de S. Paulo e diretor editorial do Grupo Folha, fundado por seu pai, Octávio Frias de Oliveira.

Já Gil Gomes faleceu em outubro, aos 78 anos, em São Paulo, após se sentir mal no dia anterior. Lutava contra um câncer no fígado desde 2015. O jornalista ficou conhecido como repórter policial do rádio e televisão brasileiro bastante popular graças a seus estilos personalíssimos de voz, de gestos e dese vestir.

Imagem: Hélvio Romero/Estadão