Competições incentivam jovens a entrar para a área da robótica

Mayara Nascimento

A construção e utilização de robôs crescem a cada ano. Conforme a Ciência avança, mais áreas vão sendo exploradas e crianças e jovens já começam a produzir desde cedo, nas escolas. Por meio de experiências criativas e competições, os jovens são desafiados a investigar problemas e buscar soluções inovadoras para situações da vida real, bem como projetar, construir e programar robôs autônomos.

Competições e campeonatos incentivam cada vez a elaboração de robôs. A First Lego League (FLL), por exemplo, é um programa internacional sem fins lucrativos que acontece em diversos países. No Brasil, os jovens com idades de 9 a 16 anos podem participar com suas criações.

O torneio FLL foi criado em 1998 pela FIRST® em parceria com o Grupo Lego. A competição propõe que estudantes sejam apresentados ao mundo da ciência e da tecnologia de forma divertida, por meio da construção de robôs feitos inteiramente com peças Lego.

Os alunos do Sesi São Paulo já são pentacampeões internacionais na competição. Os grupos de até 10 alunos passam por uma seletiva interna, no próprio colégio, para poderem representar a escola de forma regional e até mesmo nacional. Os robôs são avaliados tanto na parte do projeto da pesquisa, quanto na estética, na funcionalidade e na programação lógica. Em São Paulo são 154 escolas da rede que participam, totalizando 78 equipes.

Em Guarulhos também acontece anualmente a guerra de robôs na Faculdade Anhanguera. No mês passado aconteceu a 16ª edição da Guerra de Robôs com o tema “DestroyBots, o mundo sombrio das máquinas”. Cerca de 180 máquinas entraram em combate para destruir seus oponentes em quatro categorias: Robô de Combate com Fio, Robô de Combate sem Fio, Robô Grua Móvel com Fio e Robô de Combate Destroyer Featherweight, inspirado na famosa competição norte americana BattleBots.

Os alunos dos cursos de Engenharia Elétrica, Engenharia de Automação e Controle, Engenharia de Produção e Tecnologia em Automação Industrial mostraram sua força e habilidade para competirem entre si. Os robôs sem fio (wireless) foram equipados com lança chamas, serra elétrica, rolo compressor, lâminas giratórias entre outros dispositivos para disputar cada combate com força.

Toda competição na área da robótica é uma iniciativa que fortalece a capacidade de inovação, criatividade e raciocínio lógico, inspirando jovens a seguirem carreira no ramo da Engenharia, Matemática e Tecnologia.

Imagem: Divulgação