Com extinção da Dersa, Rodoanel ficará sob responsabilidade da Secretaria de Transportes e Logística

Lucy Tamborino

Com a extinção da Desenvolvimento Rodoviário S/A (Dersa), aprovada nesta terça-feira (10) na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), as obras remanescentes do trecho Norte do Rodoanel devem ficar a cargo da Secretaria de Transportes e Logística. Em abril, a Folha Metropolitana visitou as intervenções na região do Santos Dumont. O cenário era de total abandono: mato alto, poeira e ponto de descarte de lixo. Moradores ouvidos ainda afirmaram que desde dezembro não viam máquinas ou trabalhadores no local.

Prometido para 2016, o trecho Norte do Rodoanel permanece ainda sem prazo de entrega. O primeiro edital, da obra foi lançado em janeiro de 1998, pelo então governador de São Paulo, Mário Covas (PSDB), a previsão era entregar todo o anel viário metropolitano em oito anos. O trecho Norte, que inclui três lotes em Guarulhos, está em construção desde 2013 e atualmente ainda passa por uma reavaliação. Todo ele tem 44 km de extensão e ainda conta com uma ligação de 3,6 km com o GRU Airport – Aeroporto Internacional de São Paulo, em Cumbica.

Um relatório do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP), divulgado no mês passado, aponta o empreendimento como um dos atualmente paralisados pelo Governo do Estado. A intervenção que, além de Guarulhos, passará pela capital e Arujá, já está com o custo 50% maior do que o previsto inicial que era de R$ 4,3 bilhões e agora chega a R$ 6,3 bilhões.

A Secretaria de Transportes e Logística defende que para assegurar o bom uso dos recursos públicos, o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) foi contratado em junho para a realização de um estudo sobre as obras a executar, bem como verificar a atual situação dos trechos referentes aos seis lotes. A pasta destacou que este é mais um passo para retomar este empreendimento, dentro da forma da lei e entregá-lo o quanto antes à população.

Imagem: Lucy Tamborino