Com baixa produtividade, sessão da Câmara é encerrada novamente por falta de quórum

Lucy Tamborino

Por volta das 16h30 a sessão da Câmara de ontem foi novamente encerrada por falta de quórum. Apesar das mais de duas horas de sessão, apenas três requerimentos com pedido de informações foram deliberados e dois vetos totais de projetos de leis mantidos.

Um deles foi a instituição do Programa Remédio em Casa. Este tinha o objetivo de encaminhar diretamente à residência de pessoas idosas, com deficiência ou mobilidade reduzida, além de portadoras de doenças crônicas, usuárias do Sistema Único de Saúde (SUS), os remédios de uso contínuo que lhes forem prescritos em tratamento regular.

O texto foi criticado pelo vereador líder do governo, Eduardo Carneiro. “Quanto custa esse projeto? Será que as secretarias de Finanças a Saúde suportam o valor? A dificuldade é técnica e orçamentária, esse governo ou qualquer governo não tem máquina de fazer dinheiro“, disse.

Paulo Roberto Cecchinato (PP), vereador autor do projeto de lei, defendeu que poderia ser feito um remanejamento do orçamento. “Essa lei poderia ser sancionada e aplicada gradativamente”, pontou.

O outro veto, texto de autoria do vereador Eduardo Soltur (PSB), tratava da criação de Ação Social de Cidadania e Solidariedade, para disponibilização de livros e roupas usadas nos pontos de ônibus existentes na cidade.

Imagem: Lucy Tamborino