Coluna Livre Hermano Henning

Houve época em que Guarulhos era dividida em pequenas cidades. Não tão pequenas assim, mas eram núcleos urbanos parecidos com cidades do interior, com vida própria.

Assim é que, Vila Galvão, apesar do nome de “vila”, era tida por seus moradores como um núcleo apartado do centro, rua D. Pedro II e adjacências. Tanto que, no cabeçalho das cartas, escrevia-se junto com a data, “Vila Galvão” e não o nome do município do remetente, no caso, “Guarulhos”. Naquele tempo a gente ainda escrevia cartas.

Quando alguém falava em ir para a região da D. Pedro, dizia simplesmente que ia para “Guarulhos”, como se fosse outra cidade. As placas indicativas dos ônibus urbanos colaboravam também para fortalecer essa cultura.

Saindo de Vila Galvão para o centro da cidade, os coletivos traziam a palavra “Guarulhos”.

O costume ainda resiste, mas, creio, já não tão acentuado como nos tempos do trem da Sorocabana que passava por aqui, o Ramal da Cantareira, com suas seis estações, que cortava o município.

Tereza do Correio

Gopoúva não fugia à regra. Assim como Vila Augusta, Jardim Presidente Dutra (então um amontoado de chácaras), Cumbica, Bonsucesso…

No centro de Gopoúva imperava o Instituto Padre Bento, com cinema, teatro, campo de futebol e o hospital destinado ao tratamento de doenças intercorrentes de hansenianos. Muitos vieram morar nas imediações e se integraram à vizinhança, época que o preconceito sofrido pelos portadores da doença já tinha sido superado.

Falo de Gopoúva, que hoje se confunde com o bairro da Tranquilidade, porque lá existia uma agência do correio, bem na avenida Emilio Ribas, que aprofundava o chamado espírito de comunidade que identificava a região. Não era simplesmente um bairro de Guarulhos. Era Gopoúva

A agente do correio era a Dona Tereza. Tereza Peleias, a Tereza do Correio.

Eu a conheci jovem, com a filha única, Fátima, ainda engatinhando. O casal, Tereza e José Peleias, morava ali mesmo nos fundos da agência. Nada diferente do que acontecia no interior deste país.

Tereza exercia atividade intensa na comunidade. José, foi vereador em Guarulhos, ligado ao prefeito Valdomiro Pompêo, o grande líder político da época eleito duas vezes para o cargo. Muitos dos votos de José, o vereador, arrisco dizer, vinham em função do trabalho de Tereza.   

Minha amiga se despediu da gente na semana passada. Vai ser lembrada sempre.

Gopoúva rezou missa pela alma de Tereza do Correio no último sábado. Um beijo, Tereza.