Coluna Livre com Hermano Henning

Masami Kishi, fotógrafo que documentou a história de Guarulhos durante pelo menos setenta anos, fez aniversário. E comemorou em alto estilo com um jantar com a família em seu castelo, no meio de uma chácara, no belíssimo recanto do Cabuçu, aqui na cidade.

Lembrei-me dele, ontem, quando escrevia a história de um outro fotógrafo que marcou época por aqui também, Milton Soares. Eram dois estilos.

Milton era fotógrafo de pauleira. Masami, muito mais cuidadoso, ampliava uma foto no laboratório pelo menos umas três vezes até achar a exposição ideal. Todas em preto e branco.

Informou-me o amigo comum, o jornalista Carlos Alberto Barbosa, depois de ler a coluna de ontem, que Milton, quase no final da carreira como repórter do Notícias Populares, passou maus momentos com um delegado de polícia de Guarulhos.

Por uma discussão boba, alegando “desacato à autoridade”, o delegado mandou prender o Milton numa cela com presos comuns que tinham sido objeto de reportagens e fotos no jornal, feitas por ele. Resultado: foi espancado e não morreu por pouco.

O Sindicato dos Jornalistas fez campanha denunciando a violência que provocou também protestos até do cardeal D. Paulo Evaristo Arns. O Pasquim, órgão da imprensa alternativa, deu matéria divulgando manifesto dos jornalistas aqui de Guarulhos. Eu estava fora do Brasil. Não sabia dessa história.

Foto Masami

Masami tem até hoje uma coleção impressionante de fotos em preto e branco que conta muito da vida da cidade entre os anos cinquenta até recentemente. Fez um filme, coisa de cinema, sobre as comemorações do quarto centenário. Está tudo com ele, na residência do Cabuçu.

Masami era fotógrafo estabelecido. Tinha uma loja na Sete de Setembro, o Foto Masami. E na vitrine, colocava as fotos de figuras da sociedade local, ou políticos, ou atletas, ou gente comum que ele fotografava em eventos diversos. Eram fotos de formatura, casamentos…

Tanto Masami quanto Milton usavam a alemã Rolleiflex, a câmera de filmes 6 x 6, que podia ser usada também com filmes coloridos. Mas eles não eram revelados em Guarulhos. Dá pra acreditar?

Pra revelar um filme em cor tinha que ir para São Paulo.

Tanto Masami Kishi quanto Milton Soares seguem firmes curtindo a aposentadoria. Masami comemorou seus noventa anos. Milton, não sei, mas não deve passar dos oitenta.

Qualquer dia desses volto a esse assunto. Quero falar de outro companheiro nosso que também usava a Rolleiflex. Era Roberto Fux. Este não está mais entre nós. Deixou saudades.