Coluna Livre com Hermano Henning

O Partido Novo, que já tem duzentos filiados ativos registrados no diretório de Guarulhos, está se empenhando em fazer boa figura nas eleições do ano que vem. Um desses filiados, o advogado Wilson Paiva, já teve breve experiência que o deixou animado. Foi candidato à Assembleia Legislativa e amealhou 21.677 votos. A legenda escolhida, no entanto, o deixou longe da meta. Wilson se candidatou pelo PR, Partido da República, atual PL, o que dificultou a eleição na hora da contagem dos votos. Wilson Paiva tem 39 anos. Nasceu e foi criado em Guarulhos.

Para o ano que vem, ele acredita em melhor sorte. Quer ser candidato a prefeito e está se preparando para passar por um processo seletivo, condição que seu novo partido exige de seus pretendentes a cargos eletivos.

Formado em Direito pela Unimesp – na época, FIG, Faculdades Integradas de Guarulhos – com pós-graduação em Gestão Pública, Wilson Paiva se diz preparado para administrar a cidade junto com uma seleção de profissionais, cuja principal característica é estar “distante do padrão dos políticos locais”.

Problemas com a OAB

Só que Wilson Paiva tem um histórico muito parecido ao de políticos tradicionais que se empenham no atendimento a pessoas carentes. Uma maneira eficiente de conseguir votos.

Como advogado, ele foi acusado pela OAB de não cobrar de seus clientes, o que a entidade não permite. Por isso, responde a um procedimento interno da Ordem que pode resultar em punições, até mesmo a cassação do registro de advogado.

Ele se defende, e diz que o trabalho não tem relação nenhuma com a atividade política. Mas confirma que atende principalmente a doentes em estado grave, principalmente bebês, que estão na fila para receber atendimento médico e não conseguem.

O candidato a candidato a prefeito de Guarulhos pelo NOVO, Wilson Paiva, por causa dessa briga com a OAB, já coleciona alguns adversários. São advogados da cidade, uma atividade que reúne mais de dois mil profissionais. Ele alega, no entanto, que a classe está dividida. “Há muitos que estão do meu lado. E a alegação de que tiro clientes dos advogados de Guarulhos, trabalhando de graça para pessoas carentes, não tem razão de ser. São pessoas que, de qualquer maneira não teriam condições de contratar um profissional para representá-las na Justiça. Meus críticos dizem que, para isso, existe a Advocacia Gratuita. Mas há filas enormes para ser atendido”.

Essa disposição, acrescenta Wilson Paiva, já salvou vidas. Disposição que pode sensibilizar eleitores.