Coluna Livre com Hermano Henning

São chuvas de verão. Elas chegam sem avisar e vão embora quando menos se espera.

Ontem, o presidente Jair Bolsonaro mais uma vez considerou que suas brigas com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, já são “páginas viradas”. Maia, por sua vez, pareceu concordar e amenizou: “Vamos pensar no Brasil”.

Não foi a primeira vez que se fez a paz e nem será a última. A gente sabe disso. São momentos de “chuvas de verão” como afirmou Bolsonaro. Voltam sempre. Ele está certo, novas provocações não vão demorar. Tanto de um lado, como de outro. Só que, a bem da verdade, na maioria das vezes, provocadas pelo presidente. Da República, não da Câmara.

A briga chegou no limite e ontem parece ter havido um armistício. Esperamos que dure.

31 de março

Tem mais uma do Bolsonaro. Alguém deve ter dado um toque para o presidente e ele resolveu voltar atrás naquela história de comemorar o aniversário do golpe militar. Bolsonaro, ontem, minimizou afirmando que, o que quis dizer, na verdade, foi que o movimento militar deveria ser “lembrado”, considerando-se os acertos e erros que resultaram dali. Esqueçam a palavra “comemorado”.

Decididamente, foi um dia de “última forma” esta quinta-feira, pra ficarmos na linguagem militar. Talvez provocado pela manchete da Folha de São Paulo que amanheceu ontem anunciando o caos: “Bolsonaro provoca de novo, Maia reage e crise se agrava”. Título provocado pela decisão do presidente da Câmara dos Deputados dizer que o presidente Bolsonaro está “brincando de presidir o país”.

Em Guarulhos

Belo trabalho vem fazendo o jornalista Roberto Samuel cobrindo as sessões da Câmara de Vereadores. Ontem acompanhei sua transmissão pela internet. Com a ausência da TV Câmara, o trabalho do amigo Samuel se reveste de extrema importância.

Tivemos até um bom assunto levantado pela vereadora Sandra Gileno, do PSL. Ela questionou a decisão da Prefeitura em instalar grama sintética nos estádios de futebol dos bairros. A decisão está tomada, só que a localização desses estádios está provocando uma certa disputa entre nossos edis. Cada um querendo levar a benfeitoria para seu território. Nada mais natural.

O vereador Romulo Ornelas, do PT, fez uma observação óbvia, mas diante da realidade guarulhense, mais do que oportuna. Afirmou da tribuna que a decisão sobre a localização da benfeitoria nos estádios deve atender o interesse da comunidade, não dos vereadores.