Coluna Livre com Hermano Henning

Vou iniciar estas mal traçadas linhas com uma correção pra lá de pertinente.

No começo da semana publiquei aqui que meu entrevistado, professor Edson Albertão, ex-vereador e diretor de escola no Município, quando candidato a prefeito na eleição passada, teve 3.500 votos pelo seu partido, o PSOL.

Não é verdade.

Numa relação de nove candidatos no primeiro turno do pleito de 2016, Albertão teve exatos 4.827 votos, colocando-se em oitavo lugar, superando Néfi Antônio Castro Tales, o último da lista, com 699 votos.

O primeiro turno da eleição foi vencido pelo candidato Guti, combativo vereador e crítico implacável da administração petista, com 208.591 votos, 34,54%. Foi seguido por Eli Correa Filho, com 135.134 votos, correspondentes a 22,38% do total.

Os dois foram para o segundo turno, deixando o concorrente Elói Pietá pra trás. O PT, partido de Elói, conseguiu 116.676 votos. 19,32% do total, o que, de certa forma, surpreendeu, já que o partido do ex-prefeito e ex-deputado, é visto como “dono” de trinta por cento da preferência de nosso eleitorado. Porcentagem vista como a do eleitorado fiel petista.

Só que a eleição passada teve componentes importantes que ajudaram a escolha de Guti como prefeito, um candidato bem mais à direita do universo petista, apesar de filiado a um partido também de esquerda, o PSB.

Um desses componentes, ficou bem claro, foi o desgaste provocado pelos dezesseis anos de poder da esquerda em Guarulhos. E Elói Pietá surfou nesse ambiente político eleitoral.

A democracia tem dessas coisas, e isso é bom. Não dizem que “a glória é efêmera e o poder transitório”?

Acho que esse contingente de eleitores fiéis pode voltar ano que vem, se for bem trabalhado. Talvez, uma das saídas seria a de abandonar um pouco a insistência de se apoiar sempre na mesma tecla do “Lula Livre”. Não seria a hora de seguir outros caminhos? Abrir-se para outras opções? Dar chance para novas lideranças?

Fala-se muito que a combativa esquerda brasileira carece de uma boa autocritica. Quem sabe não seria esta a hora?

Num artigo de jornal, li ontem que a esquerda brasileira se divide em duas grandes metades. Há a esquerda carnívora e a esquerda vegana.

Apesar de gostar de um bom churrasco, acho que os veganos terão mais chance nas eleições municipais de Guarulhos. O PT, sem dúvida, se apresenta como o grande adversário do prefeito Guti no pleito de 2020. É só saber se conduzir com uma estratégia eficiente.